Sexo depois dos 50 anos: problemas que eles e elas enfrentam

Depois dos 50, o maior problema para ela é a perda da libido; para ele, falhas na ereção

Depois dos 50, o maior problema para ela é a perda da libido; para ele, falhas na ereção

Maya Santana, 50emais

Sexo depois dos 50 anos é um assunto cada dia mais atual, já que a população está envelhecendo rapidamente. E, a partir dessa idade, é natural que comecem aparecer os problemas: para as mulheres, um dos principais é a perda da libido e o consequente desinteresse por sexo; para eles, a questão mais aguda é a qualidade da ereção, que começa a declinar a partir dos 45 anos. O 50emais acaba de receber uma mensagem que me impressionou pelo tom triste do homem que a escreveu. Ele reclama de que a mulher, chegando aos 60 anos, há muito não se interessa por sexo. E ele sente muita falta de um relacionamento mais íntimo com ela. Tendo em vista a importância do assunto, resolvi postar aqui trechos da entrevista de Mariza Tavares, de O Globo, com Carmita Abdo, uma das maiores autoridades do Brasil em questões sexuais, autora de oito livros, Doutora e livre-docente pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, fundou e coordena o Programa de Estudos em Sexualidade (ProSex) do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas da USP.

Leia o que Dra. Carmita diz:

PERDA DA LIBIDO:
“A menopausa exerce um impacto muito grande sobre a mulher. Não fomos feitas para viver sem hormônios. Na ausência do estrógeno, a lubrificação da vagina fica prejudicada e a mulher pode, consequentemente, sentir dor na relação sexual. Há outros prejuízos: para os ossos, os músculos, a cognição. A reposição hormonal é medida de saúde precedida de orientação médica, mas não pode ser descartada. Também é preciso estar atenta à depressão, que aumenta sua incidência depois da menopausa. Neste caso, a mulher não se interessa por sexo, como também não quer se cuidar e se isola. Na verdade, é uma falta de interesse geral pela vida! No consultório, é frequente atender pacientes que não querem tomar antidepressivos, alegando que o remédio vai interferir negativamente na libido. Isso realmente pode acontecer, mas apenas durante o tratamento, enquanto que, se a depressão não for tratada, a falta de desejo sexual será mantida como consequência da depressão.”

POR QUE A MULHER PARECE SE INTERESSAR MENOS POR SEXO:
“A maioria das mulheres se empenha mais durante a sedução, no desafio da conquista. Algumas ficam, então, satisfeitas e abrem mão do prazer do ato sexual. Talvez por dificuldades pessoais, talvez devido a parceiros apressados ou inábeis. Ou até por desconhecimento delas, ou seja, porque não sabem como fazer o próprio corpo reagir ou não conseguem relaxar. Na atualidade, vivemos relações-relâmpago, com ainda menos chance de a mulher ter seu corpo pronto para a penetração, pois as preliminares nem sempre são suficientes ou satisfatórias. O sexo contextualiza a sociedade contemporânea, onde tudo acontece de forma rápida e descompromissada. Por outro lado, os homens adorariam ser informados sobre o que agrada às mulheres na cama. É o que ouço deles o tempo todo. No entanto, ainda parece estranho ou desconfortável para as mulheres falarem sobre o seu prazer sexual ou guiarem seus parceiros para o que dá prazer a elas. Algumas se referem a ser constrangedor falar, porque pode parecer que o parceiro não é eficiente e não ‘se garante’, a menos que seja conduzido. Puro machismo feminino. Ela prefere realizar um ato sem qualquer ganho pessoal, a correr o risco de ele se sentir pouco habilidoso. Vale a pena falar e dar a ele a oportunidade de fazer melhor.”

NOS HOMENS, PROBLEMAS DE EREÇÃO:
“Apesar do tamanho do pênis ser um grande fantasma na vida sexual dos homens, a qualidade da ereção (a qual começa a entrar em declínio a partir dos 45 anos) é ainda maior. Os medicamentos que promovem a ereção são eficazes, mas se o homem viveu boa parte de sua vida com o problema, certamente complicou o quadro com o prejuízo de sua autoestima. Nesse caso, a eficácia da medicação poderá estar comprometida e ele necessitará também de uma terapia sexual. O medicamento age na fase de excitação, o que significa que o desejo deve estar preservado para o efeito ocorrer. De modo geral, os homens não fazem prevenção e encaram o agendamento de uma consulta médica como sinal de fragilidade. No entanto, as doenças, quando prevenidas, ajudam a preservar a ereção na idade avançada. Se, por exemplo, todos os homens fizessem exame da próstata a partir dos 40 anos, teríamos uma diminuição drástica dos índices de câncer avançado e de cirurgias radicais, uma das causas de perda da ereção.”

37 comentários

  1. Cada um faz sexo de seu jeito. Sempre preferi o sexo animal. Sexo morno, não tem a menor graça. E na velhice, tudo é de morno a frio.

  2. Rogério de Oliveira

    O sexo não pode ser colocado como uma prioridade dramática da existência . O que diriam os padres , monges , freiras e outros que adotam espontaneamente a castidade e utilizam essa poderosa energia para a consecução de fins importantes. A beleza nem sempre está presente num ato sexual bem sucedido . O amor não é alcançado pelas vias sexuais. O prazer sexual é uma recompensa física ofertada pela natureza e está sujeito a modificações decorrentes do tempo que a tudo transforma. O ser humano , infelizmente , em sua maioria , não recebe o fim de sua capacidade atlética indispensável ao ato sexual. como o faz em relação ao futebol , halterofilismo e outros. O fim do sexo ao envelhecermos , é lento e gradual tal como a queda da visão , do olfato , da audição . É o ocaso da vitalidade física e não do emocional. A decrepitude emocional por causa do fim do sexo é romantismo meramente pessoal e não encontra eco na natureza.

  3. O sexo é bom, mas o que nunca pode faltar para um casal, é se sentir amado, desejado, acariciado. A perda de libido nao pode influenciar a perda de carinho. Uma coisa nao tem nada a ver com a outra. Um casal se manterá junto na terceira idade, se ambos se sentirem amados, desejados. E isso só acontece quando existe amor.

  4. Ótimo texto, infelizmente eu e minha esposa temos vivido esses dois problemas, minha esposa tem 51 e eu tenho 46…18 anos de um casamento que hoje mais parece uma bonita amizade e vai bem…desde que não envolva SEXO.

    Ela sem a menor libido, se irrita até, e eu com disfunções na ereção cada vez mais frequentes…já procurei ajuda (médica/psicológico) mas percebo que muitos não “entendem” do que falo ou não querem, talvez por despreparo, não sei, realmente é frustrante.

    • Realmente essa é a palavra José…”frustrante”…tenho 43 e meu companheiro fez 50, de um ano pra cá mudou muito, depois de passar por problemas financeiros parece que entrou em outro estágio, problemas de ereção e tenho a impressão de muita falta de libido apesar dele dizer que não…nosso relacionamento tem apenas um ano, eu tenho a libido alta e a situação está bem complicada, ainda bem que não falta amizade e carinho, senão já tinha abandonado o barco.

    • Existem alternativas naturais pra esquentar a relação, e funciona muito.

    • Nossa que chato,continua tentando.Procure um urologista.

  5. Oi tenho 43 anos meu esposo 57 faz um tempo que não temos mais relação sexual,ele não consegue ter ereção na hora h fica até dura mais baixa rapidamente,já conversei com ele pra procurar ajuda médica mais ele ignora.fici muito triste quero ajudar mais acho isso uma ignorância dele.nao sei mais o que fazer,toda noite fico só na vontade.e também um grande desabafo.

  6. Estou vivendo a mesma coisa nao tem mais vontade ….ta cada dia mais dificio ..obs tenho 52

  7. Washington Luiz de Miranda

    Bom dia a todos, meus amigos cinquentaos a vida é bela e gostosa de viver, cheguei aos 5.2 e faço amor 3 a 4 vezes por semana, tenho a maior tesão para com minha esposa, amo muito, ainda ando de mãos dadas, façam o mesmo que a tesão levantará o apetite sexual.

    • Bia noite
      Isto é mto bacana.
      Eu tenho 43 e meu marido tem 51, somos casados a 19 anos.
      Andamos de mãos dadas, trocamos mtos carinhos em qualquer lugar (sempre c mto respeito) estamos sempre grudados, nossa vida sexual também é mto boa.

      Conversamos bastante e procuramos sempre evitar a rotina sexual.

  8. Olá vou fazer 56 anos, e tenho uma companheira maravilhosa fazemos amor todos os dias isso quando não fazemos 2 vezes ao dia detalhe não somos casados namoramos e trabalhamos juntos sexo e uma via de duas mãos as duas partes tem que estar em sintonia amo fazer amor

    • Poxa que legal.Eu tenho 38 anos.Estou apaixonada por um homem de 57.Ainda não transamos sinto que ele tem muito tesão.Pois ele e bem safadinho e fala bastante besteira.Mas confesso que tenho medo dele não ter uma ereção firme li seu comentário e fiquei feliz por ter essa idade e ainda ter ereção,me animou bastante.

  9. Bom dia, deixo aqui meu relato, tenho 52 anos, namoro a 6 anos uma mulher de 36, nossa vida sexual e Mto boa, o sexo ocorre umas 3 vezes por semana de uma maneira normal, não moramos juntos, mas a gente se vê todo o dia, jantamos juntos e praticamos exercícios físicos juntos, acredito que o romantismo, o carinho e as preliminares são a chave para uma boa ereção, um bom desempenho e uma ótima vida sexual.

  10. Oi boa tarde tenho 25 anos estou gostando de uma pessoa que tem 49 anos, tenho medo de acontecer essas coisas com ele até por causa da idade são 24 anos de diferença confesso que estou confusa!

  11. Olá achei interessante seu texto, disse que não gosta de fazer bokete ou não gosta que faça nele pois olha um bokete é uma das coisas mais gostosas que tem e chupar uma pepeka tb é uma delícia. Tem que ver se ele não gosta de outra coisa, lhe ver com outro por exemplo, isso é uma imaginação mas pautada em relatos e confissões que ja tive por email de maridos e homens que são namorados. Se quiser conversar augustosobrinho89@gmail.com

  12. Boa noite sou cassado a trinta anos Fasso sexo duas vezes pôr dia

  13. Tenho 39 e casada há dois anos com uma pessoa de 55, sou bonita, legal, simpática, carinhosa porém ele nunca foi de muito sexo e eu por mim todo dia, não sei mais o q fazer, ele diz que não é nada comigo, cansaço, preocupações … o q fazer?

Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos marcados com asterisco são obrigatórios. *

*