Cidade chilena planeja ser o melhor lugar para se envelhecer

Idosos na cidade de Valparaíso, que fica ao norte de Valdivia

Maya Santana,50emais

O Chile, o mais avançado dos países da América do Sul – em 2020, vai atingir a renda média de um país desenvolvido -, tem um total de 17,5 milhões de habitantes, dos quais 17% estão com mais de 60 anos. É um país que, assim como tantos outros, inclusive o Brasil, já enfrenta problemas com o envelhecimento da população. Por isso, não é de se estranhar que venha de lá essa ideia de transformar uma cidade totalmente de forma a torná-la amiga do idoso, com calçadas niveladas, maior iluminação nas ruas, sinais de trânsito mais lentos, etc. A cidade, no caso, é Valdívia, no sul do país, com cerca de 150 mil moradores – 20% dos quais maiores de 60. Saiba de outros detalhes desse projeto, que segue recomendações da Organização Mundial da Saúde, neste artigo de Maria da Luz Miranda, blog Depois dos 50, de O Globo.

Leia:

O plano é de encher os olhos. A capital da região de Los Ríos, no Sul do Chile, pretende ser o melhor lugar do mundo para abrigar quem envelhece. Nada de tratar velho como apêndice. O Centro Gerontológico de Valdivia parte de uma necessidade básica, que é viver os últimos anos com dignidade, para abranger e garantir de saúde a moradia, de trabalho a mobilidade, sem esquecer que o afeto também é importante, e a socialização, essencial.

Valdívia fica localizada a cerca de 830km ao sul da capital chilena, Santiago.

O projeto pretende ser modelo e referência para o país inteiro. Não à toa, já que as cidades precisam ser adaptadas para os desafios que o tempo impõe. No caso de Vaidívia, as adaptações ocorrem em todas as áreas para garantir participação real da população idosa na vida da cidade.

Completo, o serviço abrange cuidados com a saúde, o que inclui cuidadores e acesso a clínicas e hospitais. Para quem não dispõe de aposentadoria suficiente, há oportunidade de retorno ao mercado de trabalho. O sistema de transporte, por sua vez, deve contar com ruas bem iluminadas e adequadas para pedestres, assim como o tempo de cruzamento dos semáforos, que deve ser mais prolongado para atender a passos mais lentos. Praças e parques, além de equipamentos para exercícios físicos, devem oferecer abrigo contra chuvas.

Valdívia pretende atender idosos saudáveis e em plena capacidade e também quem já tem limitações mais avançadas. Em um complexo de apartamentos, por exemplo, caberá a um supervisor dar o apoio necessário, assim como organizar encontros e oficinas adequadas para a faixa etária da vizinhança.

Como vai ficar uma das áreas da cidade de Valdívia

Por trás do projeto está a fundação Oportunidad Mayor, cujo foco é desenvolver projetos para faixas etárias mais avançadas. Em Vaidívida, o plano é criar o que eles chama de uma “cidade favorável”.

O Chile tem 17% de sua população com mais de 60 anos. Na pequena Vaidívia, a proporção de idosos é de 20% dos pouco mais de 150 mil habitantes. Clique aqui para ver o detalhamento do projeto, em espanhol.

Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos marcados com asterisco são obrigatórios. *

*