Envelhecimento da população exige novas opções de moradia

Vila ConViver: um grupo formado por 70 pessoas, a maioria professores aposentados da Unicamp, está tocando um projeto de coabitação, no subúrbio de Campinas(SP)

Maya Santana, 50emais

Já tratei aqui no 50emais desse assunto: a necessidade de novos modelos de moradias, projetadas para abrigar os milhões de brasileiros e brasileiros que já passaram dos 50 anos. Estou sempre repetindo estes números, porque eles são impressionantes: daqui a pouco mais de 30 anos, em 2050, haverá 64 milhões de velhos no Brasil, o que equivalerá mais ou menos um terço da população. É velho que não acaba mais. E o Brasil não está se preparando para atender a esse contingente enorme, como mostra esse artigo de Mariza Tavares, do blog Envelhecimento: Modo de Usar, de O Globo.

Leia:

A discussão sobre novos modelos de moradia para os idosos ainda é tímida no Brasil, mas a tendência é que se torne cada vez mais encorpada com o progressivo envelhecimento da população. Por volta de 2050, haverá 64 milhões de velhos no Brasil, mas, já em 2020, estima-se que o número de idosos que precisarão receber cuidados aumentará entre 30% e 50%. A maioria gostaria de permanecer em sua casa até o fim da vida, e isso tem uma explicação: são poucas e caras as opções de boas instituições de longa permanência, o nome palatável utilizado para espantar o preconceito que cerca lugares como casas de repouso ou, pior ainda, asilos. Este blog tratou, em mais de uma ocasião, sobre os efeitos negativos da solidão, daí a importância de refletir sobre o assunto. Vamos precisar de novos tipos de arranjos, e nem sempre os familiares serão os melhores, como alojar o avô ou a avó no quarto do neto ou da neta, deixando o idoso sem qualquer privacidade.

A longevidade produz diferentes grupos de velhos e cada um tem necessidades específicas, por isso devemos fugir de generalizações. Primeiro, vamos pensar no segmento mais jovem desse enorme contingente: as pessoas que estão se aproximando ou já entraram na casa dos 60. Com o orçamento apertado depois da aposentadoria, uma opção é dividir os custos de bancar a residência. Em Nova York há um programa (grátis) para achar, com segurança, alguém com perfil compatível para esse tipo de convivência. Metrópoles como São Paulo e Rio poderiam copiar a iniciativa.

Outra alternativa são os chamados “condomínios intencionais”, com a proposta de criar um espaço sob medida para esse público. A Vila ConViver, por exemplo, prevista para ser inaugurada em 2020, foi projetada para docentes da Unicamp acima dos 50, aposentados ou em vias de se aposentar. Esse é o modelo de cohousing, que surgiu na Dinamarca na década de 1960: a disposição das moradias é feita para facilitar a proximidade de seus moradores, com áreas de lazer comunitárias, mas garantia de privacidade. Você socializa quando quiser, mas há um sentimento de coletividade e pertencimento – até pelas afinidades profissionais do grupo.

A proposta de cohousing esbarra em restrições financeiras da maioria da população, mas há outras opções, como repúblicas de idosos, que podem incluir o serviço de cuidadores para quem apresenta algum tipo de limitação. Tornei-me fã do “The Green House Project”, adotado em mais de 20 estados nos EUA e elogiado por jornais como “The New York Times” e o “Washington Post”. Criado pelo geriatra Bill Thomas, o projeto praticamente reinventa os antigos asilos. São pequenas casas com ambientes familiares, onde a área de convivência é o coração da residência. Ali ficam a sala de estar, a de jantar e a cozinha. A mesa é comunitária, para que todos estejam juntos, mas com um toque de delicadeza: apesar de longa, é estreita, para que as pessoas possam ouvir quem está sentado à sua frente. Os quartos são individuais, com banheiro, e os moradores podem trazer os próprios móveis e decorá-los como desejarem – há vídeos para quem quiser fazer um tour. Investidores deveriam estar antenados nesse filão.

Um comentário

  1. Não deixa de ser incrível como o fato notório do crescente envelhecimento da população, pouco ou nada tem influenciado os programas políticos dos partidos e dos candidatos. Somos, hoje, mais de 12% da população e dobraremos esse índice nas próximas décadas. Por que não realizarmos nós próprios as nossas propostas políticas?
    Abçs. a todos!

Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos marcados com asterisco são obrigatórios. *

*