Leandro Karnal lança livro sobre “como encarar a solidão”

“Aprender a envelhecer com interesses novos é um exercício desafiador”

Maya Santana, 50emais

“O século 21 é o momento com maior horror à solidão e, paradoxalmente, o mais solitário da história.” A afirmação é do historiador, professor da Universidade de Campinas, Leandro Karnal, nesta entrevista concedida a Amanda Mont’Alvão Veloso, do site da BBC Brasil. O conhecido historiador acaba de lançar um livro cujo tema central são a solidão e o comportamento da sociedade contemporânea. “Ficou deselegante não ser alegre. Hoje, a alegria é obrigatória, mas essa regra não encontra a realidade. Não à toa, nunca colocamos tanto a nossa vida na internet, nem consumimos tantos remédios antidepressivos como agora” – diz ele no livro “O dilema do porco-espinho: como encarar a solidão.”

Leia:

Reunidos em um mesmo espaço, distanciados pela ausência de convivência. Como seres humanos, estamos acompanhados tanto quanto estamos sós. É a medida da solidão quem vai estabelecer esta diferença.

Autor do recém-lançado O dilema do porco-espinho: como encarar a solidão (Editora Planeta), o historiador Leandro Karnal discute o isolamento social, a fragilidade das conexões (reais ou virtuais) e a difícil vivência da solidão pela sociedade contemporânea.

Cursos gratuitos, novos desafios, retomar projetos da juventude e procurar pessoas com interesses próximos são soluções baratas e possíveis. No primeiro mundo há muitos idosos viajando em cruzeiros e outras atividades mais caras. Aqui, devemos ser mais criativos.

As reflexões, feitas com o aporte da filosofia, da história, da religião, da literatura e do cinema, têm um tom pessoal, entrelaçadas com memórias e questionamentos do professor da Unicamp (Universidade Estadual de Campinas). Os pensamentos de Karnal alcançam áreas distintas, como a saúde mental.

A certa altura, afirma no livro que “a era da plena liberdade de escolha e intensa realização é a farmacopeia contra a tristeza. Nunca sorrimos tanto nas redes e nunca consumimos tantos remédios para dormir, para ser viril ou para acordar”.

Livro acaba de ser lançado

Em entrevista à BBC News Brasil, o doutor em História Cultural pela USP comenta sobre a necessidade de políticas públicas voltadas para o tema, os laços constituídos pelo ódio e o paradoxo da época que mais vive a solidão, mesmo tendo horror dela.

BBC News Brasil – Quais políticas públicas precisam ser pensadas a partir desse cenário? Será necessária a criação de um Ministério da Solidão, a exemplo do que foi feito ela premiê Theresa May no Reino Unido?
Karnal – Um ministério a mais significa mais funcionários e nenhuma solução concreta para o problema. Precisamos de políticas de Estado para o tema de solidão e envelhecimento; não precisamos de mais mecanismos burocráticos.
Sistemas privados, mistos e públicos já fazem muitas coisas, como iniciativas do Serviço Social do Comércio (Sesc), do Serviço Social da Indústria (Sesi) etc. As universidade públicas já oferecem cursos e devem ampliar a oferta.
Políticas de Estado, e não mais um prédio na Esplanada dos Ministérios.

BBC News Brasil – Como os países latinos tratam a solidão?
Karnal – Somos mais publicamente gregários do que povos do norte da Europa, por exemplo. Há menos gente no mundo latino saindo para viajar ou comer sem formação de grupo. Brasileiros médios usam menos a leitura como lazer do que franceses e ingleses médios.

A leitura é um caminho poderoso para embalar uma solidão saudável.

Os museus em Londres são quase todos gratuitos, mas no Brasil são poucos assim. O espaço da rua da América Latina é mais agressivo e arriscado do que uma cidade britânica; logo, é mais difícil ser um idoso nas calçadas do Rio de Janeiro ou São Paulo.

Por outro lado, as famílias latinas buscam mais contato, as amizades fora da família são um pouco menos submetidas a regras e nossa sociabilidade é muito rápida, ainda que acusada de ser muito superficial. Clique aqui para ler mais.

Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos marcados com asterisco são obrigatórios. *

*