Mais independentes e ativos, velhos não querem morar com filhos

Ana Maria resolveu mudar-se para um “residencial” após cair em casa

Maya Santana, 50emais

Estou sempre de olho em artigos como esse, publicado pelo Estadão, sobre um dos assuntos que despertam mais interesse entre as pessoas que visitam o 50emais: moradia. Essa é uma preocupação para praticamente todo mundo que passou dos 50, principalmente para os que querem se manter independentes, porque são ativos e estão cheios de energia. Eu mesma, estou com 66 anos, moro sozinha e pretendo me manter assim enquanto aguentar. Sei, é claro, que, mais para frente, vou ter que viver num outro tipo de arranjo, com os meus familiares por perto. Eu me considero privilegiada porque tenho outras seis irmãs. Mesmo que fisicamente separadas, vamos envelhecendo juntas.

Este artigo trata das muitas opções de moradias para os que não querem ir morar com os filhos ou outro tipo de parente. Leia:

Pensar em moradias para idosos é pensar onde mais de 50% da população brasileira vai morar. As projeções mostram que, até 2040, metade do País terá mais do que 50 anos. Assim começam a surgir por aqui modelos que, muitas vezes ainda embrionários, ajudam a mostrar as opções que teremos para oferecer antes mesmo da metade do século. Essas novas formas tentam atender uma variada gama de idosos, das classes mais humildes as mais abastadas.

Com menos dinheiro, o poder de escolha é mais escasso. O grande exemplo é a Vila dos Idosos, no bairro do Pari, em São Paulo. Controlado pela Companhia Metropolitana de Habitação (Cohab) e inaugurada na gestão do prefeito Gilberto Kassab, são 145 apartamentos que abrigam idosos que têm renda até três salários mínimos.

Uma das primeiras moradoras foi Neide Duque Silva, de 75 anos. A aposentada conta que entrou para o Grupo de Articulação para Moradia do Idoso da Capital (Garmic) por coincidência, ao procurar uma alternativa para o aluguel que pagava e que não estava dando conta. Hoje ela é membro do Conselho Municipal do Idoso e se apaixonou pela nova casa. “Eu acho que está faltando agilizar um pouco mais a parte cultural e de lazer, de atividades. Tem aparelhos de ginástica, mas precisava ter um monitor”, conta.

Neide é uma das moradoras mais antigas da Vila dos Idosos, em São Paulo

Atrativos
Mesmo sem ter uma adaptação perfeita nos apartamentos, ela diz que há fila de cadastrados na Cohab na tentativa de arrumar uma vaga. O atrativo além do preço (por meio de um programa de locação social, que equivale a 10% do salário e uma taxa simbólica de R$ 35 de condomínio) é a possibilidade de morar ao lado de outros idosos.

“Até recentemente a gente pensava que boa velhice era ir morar com os filhos. Agora as atuais gerações de idosos não querem mais ser dependentes. Quando você convive com pessoas da mesma idade, do mesmo nível de dependência, o avanço dos anos deixa de ser um problema e passa a ser uma experiência para as pessoas”, explica a Professora de Antropologia da Unicamp e autora do livro A Reinvenção da Velhice, Guita Grin Debert.

Independência
O fenômeno não acontece apenas com quem não tem onde morar. Na outra ponta do espectro social, as classes altas que podem pagar não apenas por moradia, mas por uma variada gama de serviços, também busca casas exclusivas. É o caso de Ana Maria Benavente, moradora do Cora Residencial. Aos 80 anos, ela conta que decidiu se mudar no dia que o filho lhe encontrou caída ao lado da cama, desacordada. O que aconteceu por causa de um acidente acabou virando um estilo de vida: “O que eu mais gosto são as amizades. Temos nossa turma de jogar dominó, brincamos, gritamos”, conta. A hospedagem lá custa R$ 7.500. Já a moradora do Solar Ville Garaude, em Alphaville (SP), Gilda Maria Tolentino, 78 anos, vai além: “Tenho duas amigas que quero que venham para cá.”

A autonomia é um dos atrativo mais caros a geração que hoje já está na terceira idade. O que eles não querem é alguém lhes falando o que, como e quando fazer. É o caso de Antônio Capozzi de 91 anos e morador do residencial Lar Sant’Ana: “A privacidade para meu caráter é imperativo”, afirma. Sua colega, Anna Lyrs, de 91 anos, concorda com Capozzi: “Faço o que quero e ninguém se intromete”, completa. Ambos pagam R$ 15 mil para morar lá.

Mercado
A expansão desse conceito de moradia deve vir em breve, com condomínios voltados para o público acima dos 60 anos. Em 2018 a construtora Tecnisa deve lançar um empreendimento no Jardim das Perdizes, em São Paulo, com apartamentos equipados, área comum de clube, enfermeiro de plantão e elevador com espaço para maca visando a classe média alta. “No nosso empreendimento ele está na casa dele. De porta trancada. Quem quiser entrar vai ter que bater”, diz Joseph Meyer, presidente da construtora. Para quem se interessar por morar sozinho na terceira idade, algumas observações são importantes na hora da decisão. Segundo Rosaria Ono, professora da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da USP (FAU), cômodos como o banheiro e a cozinha devem ter uma atenção especial, com barras e piso antiderrapante: “As edificações antigas não pensavam nessas questões. O desafio é criar ambientes que possam ser usados por jovens e idosos”, explica.

33 comentários

  1. Sou do Rio, Moro no Recreio dos Bandeirantes e moro sozinha, por opção! Tenho duas filhas. Uma em SP e outra no Rio . NĀO tenho nenhuma intenção de morar com filhas, apesar do bom relacionamento.
    Tenho lido sobre Condomínios para idosos e chego à conclusão que é ideal!!
    Esqueci de citar minha idade: 72 anos.
    Abraços

  2. As propostas são maravilhosas, porém os empresários se aproveitam da necessidade e da problemão a do idoso, para cobrar preços exorbitantes. É um nicho de mercado promissor, mas infelizmente, para uma elite privilegiada. Melhores como eu, aposentadas do INSS, com renda de 3000/4000 por mês, não tem a menor condição de usufruir de um lugar como esses para viver o que lhes resta nessa vida. Triste, muito triste.

  3. Somos um modelo acessível para o idoso…uma vila residencial…com valores Aparti de 2 salários mínimos..b

  4. Dalila Suannes Pucci

    Para quem pode pagar R$ 15.000,00 por mês, é o ideal.

  5. Alvania Guimarães

    Sou do RJ, moro na Barra da Tijuca, é gostaria de saber se há algum empreendimento, como os de SP, aqui.
    Tenho 79 estou muito interessada.
    Meu email é alvaniaguimaraes@yahho.com.br.
    Agradeço resposta.

  6. Tudo no seu tempo! Ideias com serviços e estruturas confortáveis estarão surgindo no mercado imobiliário,para a boa idade!
    Estou me organizando para estar na fila dos próximos felizardos!
    Vamos envelhecendo com alegria!!!
    Maria Somensi

  7. Helena Maria Vilar dos Santos

    Acredito que será um ” nicho” empresarial de grande sucesso. O idoso quer ser independente, ter amigos para jogar conversa fora, passear, se exercitar. É pena que o custo seja muito alto e fora da maioria dos aposentados. Aguardo lançamentos com valores mais acessíveis. Tenho 65 anos e meu cônjuge 66 anos.

  8. Neusa Couto Medina

    A idéia é excelente. Adorei. Qd tiver um empreendimento desses aqui no RS serei candidata, com certeza.

  9. Acho que condominios ( casa ou apt) para idosos uma udeia excelente. Na Paraiba ja existem 2 condominios assim, SP, conversando com outras pessoas sibre o assunto em torno de 90% adorariam morar num.lugar assim, pela segurança, o sugeriram que o condomínio poderia ter uma unidade de saúde ( tipo contratar uma enfermeira para dar assistencia) , um salão de beleza…um.café..para bate papos, um.salão. de festas onde pudesem dançar, ….

  10. Maria de Fátima Zibetti

    Gostaria imensamente de ter uma oportunidade como está. Tenho 63 anos meu marido 69. Odeio ficar na casa de filhos. Tenho muita vontade de ter meu cantinho. Será que estes projetos é a nível de Brasil

  11. Altamente funcional tanto que preciso informações mais detalhadas de como fazer parte desse Condomínio.

  12. Quero saber se algum empresário está pensando em fazer um empreendimento para idoso em Curitiba no Paraná???

  13. Elisamaria D. Costa

    Interessante esse tipo de moradia para nos idosos que não temos filhos nem irmãos e que o futuro preocupa .
    A mim interessa muito , mas por ser um modelo novo os preços estão muito altos. Poucos podem pagar. A tendência no futuro é esse preço se ajustar a realidade do idoso. Qualquer lançamento desse no RJ gostaria de ser informada

  14. Janise Dornellas Assunção

    Acho muito bom. Sou do RJ. Já existe esse tipo aqui ou só em SP?

  15. Tem em Fortaleza? No valor de um salário minimo, p uma mulher só.

  16. Como faço me inscrever em São Paulo, Tenho interesse.

  17. Será que algo desse porte terá em POA? Será muito bom!

  18. Gostaria de saber mais pode ter cachorrinho ,tem cozinha ,tem piscina, é garagem

  19. Eu quero um condomínio desses em Recife! pois acho maravilhosa essa idéia!

  20. Boa tarde

    Fiquei interessada.
    Em Curitiba existe algum condomínio
    deste tipo?

  21. Gostaria de saber mais detalhes. Onde fica e valores, pois tenho interesse. Não tenho filhos e sou viúva.

Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos marcados com asterisco são obrigatórios. *

*