Mulheres assumem a calvície e não se envergonham de ser careca

A atriz e cantora canadense, Anne-Lise Nadeau, perdeu seus cabelos.

Maya Santana, 50emais

Minha mãe tinha problemas de queda de cabelo. Fazia longos tratamentos. Mas nunca chegou a perdê-los, a ponto de tornar-se careca. O que não é o caso das mulheres da reportagem abaixo, de Daniela Franco, da Rádio França Internacional. Entre as mulheres ouvidas pela autora da reportagem está Corrine Furon, que levou 11 anos para ter coragem de parar de usar lenços e expor a cabeça lisa, sem um fio de cabelo. Mas ela própria reconhece: “Viver sem cabelos é um combate de todos os dias.”

Leia:

De um dia para outro, elas começaram a perder os cabelos até o momento em que pouco ou quase nenhum fio restou sobre a cabeça. Menos comum do que nos homens, mas extremamente cercada de tabus, a calvície feminina, geralmente desencadeada por alopecias, é uma realidade para muitas mulheres que, cada vez mais, são obrigadas a encarar a vida sem as madeixas.

Corinne Furon antes e depois de ficar careca: “Viver sem cabelos é um combate de todos os dias”

A história se repete a cada relato. Elas adoravam seus cabelos e nunca poderiam imaginar viver sem eles. Até o momento em que eles começaram a cair. No banho, na escova, no travesseiro, os fios passaram a mechas inteiras e recuperá-los virou o principal objetivo da vida dessas mulheres. Exaustas de um combate muitas vezes sem resultados, várias resolvem assumir a vida com o crânio nu.

É o caso de Corinne Furon, de 34 anos. À Rádio França Internacional, ela contou que uma sequência de graves incidentes gerou um forte stress e terminou por exterminar por completo suas madeixas. Depois de uma maratona de especialistas, vários tipos de tratamentos invasivos e dolorosos e uma depressão, ela resolveu repensar sua vida – um longo e delicado processo que envolveu também uma mudança de cidade, já que no local onde vivia, Corinne não podia mais encarar os olhares alheios.

Frederique Gauthier, de 57 anos.

Apostando em uma vida nova na turística Ile d’Oléron, no oeste da França, Corinne não conseguia deixar de lado, no entanto, os lenços e as perucas para esconder a cabeça. Até que um fotógrafo alemão que conheceu a convenceu a posar nua. Os amigos passaram então a questionar o paradoxo entre aceitar exibir sua nudez corporal e a necessidade de esconder sua calvície. “No dia em que comecei a sair sem lenço na cabeça, não foi porque eu assumi minha condição, mas porque eu me dei esse desafio. Passados onze anos, viver sem cabelos é um combate de todos os dias”, diz.

No entanto, Corinne recusa a ideia de que se assumir sem as madeixas foi uma escolha. “Ninguém quer ser careca. Eu não pedi para perder meus cabelos”, frisa.

Por outro lado, não tem dúvidas que a experiência lhe trouxe benefícios. “Cada um tem seu caminho a percorrer e está claro que precisamos de suporte psicológico para conseguir se aceitar e evoluir, consciente de que não há uma solução milagre. Eu não morri porque perdi meus cabelos, mas é verdade que encontrei outras forças dentro de mim. Claro que, se pudesse escolher, gostaria de ter meus cabelos de volta. Mas não teria avançado tanto na vida se não os tivesse perdido”. Clique aqui para ler mais.

Um comentário

  1. Olá!

    Não concordo que temos que assumir nossa calvície…
    Quando uma mulher não tem seios…..elas colocam prótese e passam a exibi-los com decotes sinuosos….
    Quando uma mulher não tem bunda……..colocam prótese e usam roupas colocadas e ganham o mundo…….
    Quando perdem seus dentes ou são feios……..fazem implantes……….e sorriem até na hora da morte……..
    E ALOPECIA vc já teve……..é desesperador………..a cada manhã queria colar os fios encontrados na fronha……..quando alguemconversa com vc e ao invés de te olhar nos olhos…olha pra sua cabeça!!
    Adensamento Capilar……….ganhei minha auto estima de novo, rejuvenesci……e BORA SER FELIZ……comprei,paguei é MEU!!! MEU CABELO !!!! bjs

Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos marcados com asterisco são obrigatórios. *

*