Novos centros de repouso para idosos mudam a cara dos asilos

Nair Salomão, 101 anos, moradora de residencial para idosos em São Paulo (Foto: Gabriel Reis)

Maya Santana, 50emais

À medida em que a população envelhece, vão surgindo as novidades que têm como objetivo dar mais conforto e independência à velhice, sobretudo para pessoas que podem pagar por isso. Uma delas é a completa transformação do conceito de asilo. Se antes eram vistos como sinônimo de tristeza, os asilos, hoje, têm uma filosofia diferente e tiveram até o nome mudado. Ao combinar condomínio fechado e centro de repouso, empreendimentos transformaram a cara dos asilos. Além de serviço médico 24 horas, há atividades culturais, boliche e até aulas de “zumba sênior.” Quanto mais sofisticados, mais caros, claro.

Leia a reportagem de Camila Brandalise para a revista Isto É

Com a foto do cantor John Lennon na mão, Nair Mendonça Ribeiro Salomão, 101 anos, abre um sorriso. A brincadeira para estimular a memória, em que é preciso reconhecer o artista estampado nas cartas, é uma das atividades diárias propostas aos moradores do Cora Residencial, de São Paulo, voltado para pessoas com mais de 60 anos. Em uma mesa no hall do prédio, ela põe o cartão com a imagem do ex-Beatle de lado. Quer contar sua história.

“Sou do tempo do suicídio de Getúlio Vargas.” Depois da morte do marido, passou a morar com a filha, mas se incomodava ao percebê-la sobrecarregada com as responsabilidades da família e os cuidados com a mãe. Nair pediu que a levasse a uma casa de idosos, e o combinado foi que ficaria uma semana para testar. Já tinha 100 anos e lá ficou. No local, vive como se estivesse em um condomínio fechado: tem seu quarto e autonomia para sair e voltar quando quiser. Mas dispõe também de serviços específicos, atendimento médico 24 horas e alimentação com nutricionista, além de uma programação que afasta a alcunha de casa de repouso com atividades que vão de boliche a “zumba sênior”

Ana Maria Benavente, 80 anos: opção de viver em condomínio para idosos não significa abandono da família. “Meu filho me adora e me visita regularmente” (Foto: Gabriel Reis)

Chamadas de instituições de longa permanência para idosos, os residenciais voltados para a terceira idade tentam quebrar a imagem estigmatizada dos asilos ao criarem um híbrido de condomínio com centro de convivência. O Cora Residencial, com sete unidades na capital paulista, é um deles. Os valores mensais ficam em uma média de R$ 7,5 mil dependendo do tipo de quarto, que pode ser individual, duplo ou triplo, e do tratamento.

O modelo existe em diferentes cidades brasileiras e é inspirado em empreendimentos que são praxe em outros países, como Estados Unidos, Canadá e Inglaterra, onde a população idosa cresce gradativamente. Assim como no Brasil, cuja taxa da população com mais de 60 anos foi de 9,8% para 14,3% de 2005 a 2015. Na verdade, aqui o aumento é mais rápido do que em países desenvolvidos e chegará a 35% em 2070, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

É preciso evitar a depressão
Médico geriatra e especialista em doenças cognitivas do envelhecimento, Rodrigo César Schiocchet da Costa afirma que a depressão, doença de grande incidência entre idosos, pode atingir níveis mais altos entre pessoas que vivem em instituições de longa permanência. “Os estudos que mostram isso focam em asilos tradicionais, com perfis diferentes dos residenciais para idosos”, afirma.

A ideia desses novos centros, segundo Costa, é benéfica no sentido de estimular o desenvolvimento cognitivo, o convívio social e a qualidade de vida geral. Com isso, evita-se quadros depressivos, que podem ser fator para uma série de outras doenças na terceira idade. “Desde a alimentação à atividade física, tudo deve ser pensado para a saúde física e mental.” Segundo a mais recente Pesquisa Nacional de Saúde do IBGE, divulgada em 2014, a faixa etária entre 60 e 64 anos é a maior entre todos os brasileiros diagnosticados com depressão: 11% do total.

Amor da família
Bem resolvida com sua escolha de moradia, Ana Maria Benavente, 80 anos, não titubeia ao afirmar que viver em uma casa geriátrica nada tem a ver com abandono familiar. “Meu filho me visita regularmente, ele me adora”, diz, rindo. Morando sozinha até sete meses atrás, um dia levantou da cama e caiu. Foi quando achou que valeria tentar o residencial para sua faixa etária. “Gosto daqui”, diz ela, cabelos loiros e sobrancelhas desenhadas com lápis. “Mas prefiro morar sozinha, gostava mais da minha casa, do meu lugar.” Por enquanto, porém, o plano é continuar vivendo no residencial.

“Fui pintora, tinha um ateliê, e posso fazer isso aqui. Hoje mesmo tem aula de teatro, estou animada.” Para Costa, o tabu sobre casas para idosos vem sendo quebrado com as novas instituições, mas ainda é visto com ressalvas, principalmente pela família. Aos poucos, os asilos deixam de ser relacionados a abandono e passam a funcionar como centros de lazer e de cuidados. Um lugar melhor tanto para hóspedes quanto para familiares.

Leia também:
Moradia compartilhada para acima de 60 ganha espaço no Brasil
Compartilhar moradia depois dos 50 é tendência internacional

Americanos criaram vila para velhos
Na ânsia de ter um espaço de alto padrão para aposentados, os americanos criaram não um condomínio, mas toda uma vila para pessoas com mais de 55 anos. Fundada em 1972, The Villages é hoje uma cidade com 120 mil habitantes. Em 2000, eram apenas 8.300. É também um forte reduto republicano, com apoio declarado a Donald Trump. A média de preço de uma casa vai de R$ 800 mil a R$ 3 milhões. O custo mensal, que inclui manutenção de piscinas, quadras de tênis e campos de golfe, além de atividades recreativas e serviços básicos como água e TV a cabo, é de R$ 3 mil.

O empreendimento é um dos pioneiros no mundo no setor de moradias para idosos que dispõem de serviços variados e se afastam da ideia de asilo. Hoje há vários outros modelos parecidos ao redor do mundo. Em Londres, o Battersea Place conta com uma ala de enfermagem de luxo. Na Nova Zelândia, uma casa na vila Settlers Albany sai por R$ 4 milhões. Na Holanda, a vila de Hogeweyk foi projetada para idosos com demência e Alzheimer e tem uma estrutura específica para ajudar os moradores.

Compartilhe!

2 comentários

  1. Marilda Francisca Silvestre

    Nosa,amei.tudo isso.

Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos marcados com asterisco são obrigatórios. *

*