O irrefreável desejo de uma octogenária por um homem de 35 anos

São várias décadas de diferença na idade, o que não inviabiliza a relação. A foto acima não é do casal mencionado no artigo. É apenas ilustrativa

Alice Rosenthal, 50emais

Recebi esta manhã um e-mail de uma velha amiga. Comprido e cheio de pequenas notícias de São Paulo, o e-mail trazia uma única nota mais longa, sobre o “desvario” em que se tornou a vida da nossa amiga em comum Vanda Cruz, 80 anos, desde que encontrou num baile um homem de 35 anos. Os dois dançaram agarradinhos e se deram longos e gostosos beijos. Segundo Vanda , Rogério estava bêbado e não deve ter notado a diferença de idade. Depois disso, os dois passaram a se falar por celular. Agora, Vanda não faz outra coisa senão se embelezar, preparando-se para encontrar aquele que resgatou nela toda a força sexual represada desde os 60 e poucos anos.

No e-mail, a minha amiga escreve: “Vanda está a mil por hora. Nem parece aquela pessoa reclamona que conhecemos. Tudo por causa de um homem. Ela foi ao baile, encontrou este cara, se beijaram, se amassaram. Imagina, ele tem 35 anos. Menos da metade da idade dela” – comenta entusiasmada. A verdade é que todas as amigas de Vanda sempre torceram para que ela encontrasse alguém, porque é a única num grupo numeroso de mulheres com mais de 60 anos que fala em sexo constantemente e com muita alegria. Parece que ela não envelheceu. Ficou nos seus 35 anos.

O e-mail da minha amiga continua: Estão se falando por celular. Vão sair. Ela está toda feliz: cortou o cabelo, está preparando um traje jovial para o encontro. E só pensa naquilo. Diz que não vê a hora de encontrá-lo. Na fantasia, já fez de tudo com ele. Virou o pobre pelo avesso.! Imagine, nossa amiga tem 80 anos” – volta a dizer, admitindo: “ Acho admirável.”

De certa forma, também admiro Vanda. Aos 71 anos, posso dizer que minha libido sumiu. Raramente penso em sexo. E quando penso, o pensamento vai embora logo. Não me sinto mais sexualmente atraída pelo meu companheiro. Nem por ninguém. Vejo sempre em artigos médicos dizendo que o sexo não morre com a idade. Pode ser. O que acontece é que cada uma de nós mulheres reage ao sexo de uma maneira. Assim como, aos 80 anos, Vanda tem necessidade de se relacionar sexualmente com alguém, conheço mulheres de 60 anos que não querem mais nem pensar no assunto.

Minha amiga, também septuagenária e, como eu, há muito distante de sexo, termina o e-mail assim: “Vanda está consciente de que não vai ter um namorado e sim alguém para transar. Assim mesmo, anda feliz, leve e fagueira. O que um homem não faz na vida de uma mulher” – comenta com uma pontinha de inveja e arremata: “Como faz bem quando o coração bate mais forte. Até o rosto de Vanda ficou mais jovem!”

Essa história é verdadeira. Vanda vai se encontrar com Rogério na semana que vem.

6 comentários

  1. Muito bom. Sinal q eu vou chegar lá! Tenho 68 anos e o meu “amigo”, 44. Nos relacionamos há 3 anos! E ele adora a minha libido e vitalidade! Não sei até qdo vai durar…mas o momento a gente vai vivendo. Como disse Michel Quoist no seu livro CONSTRUIR O HOMEM E O MUNDO…”porque esperar amanhã para viver? Um dia não haverá mais amanhã e eu não terei vivido!…”
    Regina

  2. Amei..tenho 69 anos e muita libido.
    Também sonho com um homem quarentão, bonito, fogoso, cheiroso

  3. Eu também acho ótimo as mulheres que conseguem ser e fazer o que desejam. É muito fácil cair nas armadilhas do sistema que diz que mulheres de determinada idade estão mortas para o sexo e que dar vasão à desejos nesta idade fatalmente dará errado. Mas chego a conclusão que os tempos mudaram, para melhor. Foi-se o tempo que só os homens podiam. Quem não cansou de ver velhos completamente gagás com moçoilas a tiracolo, como se fosse a coisa mais natural do mundo? Desde de que eu aos 15 anos assisti o filme “Ensina-me a viver”, do diretor americano Hal Hashby. Nele, uma mulher de 79 anos ensina a beleza da vida, inclusive sexual, para um adolescente de 20 anos que tinha como passa tempo ir a funerais e gostava de simular suicídios. Desde então, entendi que beleza, desejos, sexo não tem tempo, cor, idade, credo. Eros é vida. Desejos são desejos. E o meu desejo é de que Wanda seja livre e feliz por todas nós, mulheres reprimidas, criadas sob o domínio do pecado, da culpa, do medo, do castigo. Vai Wanda, ser gauche na vida!

  4. Lindo esse relato!!!Para amar, não há idade!

Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos marcados com asterisco são obrigatórios. *

*