Santander cancela a vinda de Meryl Streep e Robin Wright a SP

Elas participarão de um encontro em São Paulo no próximo dia 29 de maio

Elas participarão de um encontro em São Paulo no próximo dia 29 de maio

Maya Santana, 50emais

Depois que a imprensa brasileira informou com destaque a vinda das atrizes Meryl Streep e Robin Wright a São Paulo, no próximo dia 29, para discutir “empoderamento da mulher”, ontem, sexta-feira, veio a notícia que o debate foi cancelado. Anunciado pelo próprio presidente do Banco Santander no país, Sérgio Rial, a vinda das duas gerou grande expectativa. Muita gente entrou em contato com o 50emais querendo saber mais detalhes do evento. O banco espanhol não se dignou a dar qualquer explicação pelo cancelamento, transformando o que era um golpe de publicidade numa propaganda negativa para o Santander. Veja o artigo que postamos aqui, antes de o banco voltar atrás, sabe-se lá por qual motivo:

Duas das mulheres mais poderosas e admiradas dos Estados Unidos, as atrizes Meryl Streep e Robin Wright – tornou-se famosa no mundo inteiro no papel de Claire Underwood, no seriado House of Cards (Netflix), ao lado do ator Spencer Tracy –, foram convidadas pelo Banco Santander para participar de um encontro, em São Paulo, no dia 29 de maio, no qual vão falar sobre o “empoderamento da mulher”, abordando a posição feminina no mercado de trabalho. A escolha de ambas não poderia ser mais acertada. E para tornar o acontecimento ainda mais reluzente, será lançada na ocasião a quinta temporada de House of Cards.

Meryl Streep, perto de completar 68 anos (em junho), casada com o escultor Don Gummer há quase quatro décadas e mãe de três moças e um rapaz, é conhecida pela batalha que trava há anos em Hollywood para que atrizes recebam o mesmo tratamento dispensado aos atores, quando o assunto é salário. A luta da respeitada atriz, na verdade é mais ampla. Ela é uma das vozes mais fortes em favor da igualdade entre homens e mulheres.

“Eu tive sorte porque pude participar de filmes importantes em momentos oportunos da minha carreira. Títulos como Kramer vs. Kramer, que foi um reflexo do que estava acontecendo na sociedade. Ou As Sufragistas, um filme que não poderia ser mais apropriado para o momento que vivemos. Mas eu não me engano. Mesmo na minha carreira, essas obras são bolhas de ar em uma indústria dirigida por homens e onde domina a narrativa masculina” – afirmou a atriz ao jornal El País.

E continuou: “Na televisão você encontra outra variedade, séries como Orange Is The New Black e muitas outras com mulheres nos papéis principais. Enquanto na tela grande, eu me lembro que exatamente há um ano dos 10 melhores filmes selecionados pelo Instituto de Cinema Americano, apenas um tinha uma mulher como protagonista. Cabe a outra pessoa mais preparada do que eu explicar essa disparidade, mas o que fica claro é que a voz que se escuta nessa indústria é principalmente masculina”.

A atuação de Meryl Streep não se restringe a Hollywood. Em 2015, enviou carta a cada um dos membros do Congresso americano, lembrando a emenda constitucional que defende a igualdade entre homens e mulheres. Também mandou carta à chanceler alemã, Angela Merkel, falando da necessidade do desenvolvimento de mulheres entre as novas gerações. No mesmo ano, 2015, a atriz criou um programa com o objetivo de formar novas gerações de mulheres roteiristas com mais de 40 anos de idade.

Já a elegante Robin Wright reforçou suas credenciais como defensora da igualdade de gênero depois que deu um ultimato aos produtores de House of Cards, exigindo receber o mesmo salário pago ao brilhante Spencer Tracy. Conseguiu. Ninguém sabe ao certo quanto os dois recebem. Mas segundo dados de 2014, citados pelo El País, “Spacey embolsava meio milhão de dólares (cerca de 1,8 milhão de reais) por episódio. Acredita-se que esse valor tenha dobrado.” Com o salário igualado, Robin também entrou para o grupo dos mais bem pagos de Hollywood.

O sucesso da atriz literalmente explodiu com sua atuação em House of Cards, a partir de fevereiro de 2013, quando o primeiro episódio foi ao ar. Casada durante 19 anos com o ator Sean Penn, pai de seus dois filhos, Dylan e Hopper, agora vive com o companheiro, ator Ben Foster, quase 15 anos a menos do que ela. Fora do trabalho como atriz, Robin Wright é figura importante na campanha internacional para por fim à violência interna no Congo, no coração da África, que já matou mais de cinco milhões de pessoas. Essa é sua grande causa.

Meryl Streep e Robin Wright terão muito o que falar para as brasileiras, uma vez a luta pela equiparação de salários nos Estados Unidos é antiga.E dados divulgados recentemente mostram que americanos e americanas desempenhando a mesma função só terão salários iguais daqui a 130 anos.

No Brasil, a coisa é dramática: as mulheres ganham menos do que os homens em todos os cargos, segundo mostra pesquisa salarial da Catho, empresa especializada nesse tipo de levantamento. A maior diferença é no cargo de consultor, no qual os homens ganham 62,5% a mais do que as mulheres.

Falando sobre o debate, o presidente do Santander no Brasil, Sérgio Rial, adiantou: “Teremos uma conversa sobre a mulher, a posição da mulher e a liderança feminina no mundo de hoje, que se acelera”.

Compartilhe este postShare on FacebookShare on Google+Share on LinkedInTweet about this on TwitterEmail this to someone

2 comentários

  1. Favor corrigir o nome do ator citado no texto, não é Spencer Tracy, mas sim Kevin Spacey

  2. Cliente que não é SANTANDER poderá participar ? Onde será ? Quanto se paga ?

Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos marcados com asterisco são obrigatórios. *

*