Veja os melhores tratamentos para os cabelos na menopausa

Especialista Ramiro Cerqueira cuida dos cabelos da engenheira Maria do Pilar

Maya Santana, 50emais

Um artigo publicado pelo portal Uai sobre como cuidar dos cabelos na menopausa. Assim como a aparência física da gente vai mudando com o tempo, os cabelos também mudam. Muitas vezes ficam ressecados, com os fios quebradiços e perdem o brilho. Para ficarem bonitos, exigem certos cuidados. As mudanças se devem ao fato de as mulheres sofrerem alterações hormonais nessa fase da vida, que afetam não só a quantidade de fios, mas até a hidratação natural dos cabelos.

Leia:

Sinônimo de sensualidade, reflexo de personalidade e criação de identidade, os cabelos revelam um pouco de cada mulher conforme o estilo, corte, tonalidade, comprimento e textura. Na menopausa, diante das alterações hormonais, eles também sofrem mudanças e é preciso saber lidar para que fiquem saudáveis e não percam a beleza.

A médica Ana Paula Furst, dermatologista e tricologista da Lenz Clinic, afirma que os cabelos na menopausa sofrem alterações na qualidade e, em muitos casos, na quantidade também. “Isso ocorre devido às alterações hormonais nesse período, principalmente a redução do hormônio estrógeno que prejudica diretamente o nascimento e crescimento dos fios e até a hidratação natural deles.”

De acordo com a dermatologista, há um risco maior de desenvolvimento de queda capilar padrão feminino e ocorre também uma perda da qualidade dos fios, que poderão se mostrar menos saudáveis, secos, quebradiços e desnutridos. Mas, avisa, nem todas as mulheres vão sofrer essas alterações.

Os cuidados todas sabem, basta apenas colocá-los em prática: “Alimentação equilibrada e suplementação nutricional, prescrição de medicamentos tópicos e orais (se necessário), além de cuidados com cosméticos, podem ser fundamentais para a boa saúde e manutenção dos cabelos”. Ela lembra que, sim, todo tratamento, quando individualizado, apresenta resultados mais satisfatórios.

Ana Paula Furst, médica dermatologista e tricologista da Lenz

Loiros, castanhos, pretos, lisos, cacheados, encaracoladas, quimicamente tratados, alisados, pranchados… Cada estilo, cor e textura reagirão de forma diferente na menopausa? Ana Paula Furst explica que as alterações se devem a mudanças hormonais específicas de cada mulher, e não ao tipo genético de cabelo. “Na grande maioria dos casos, observamos aumento da queda capilar, aumento da quantidade de fios brancos, rarefação, enfraquecimento e afinamento dos fios, perda do brilho. Portanto, como os fios ficam mais fracos e quebradiços, notamos nos cabelos tratados quimicamente um desgaste maior. Nos cabelos pretos, os fios brancos ficarão mais evidentes, dando a impressão de que são em maior quantidade quando comparados com os cabelos loiros.”

Outra dúvida recorrente: fala-se que o cabelo (o fio) só se define na adolescência. Será que pelas mudanças o cabelo na menopausa também assumiria novos fios? A dermatologista ensina que “o cabelo está em constante crescimento e renovação, e pode sim mudar sua aparência ao longo da vida. Em um cabelo crespo, bem volumoso, podem-se observar afinamento, diminuição do volume e até um certo alisamento. Já os cabelos finos podem ficar mais espessos, mas isso ocorre com uma minoria das mulheres. O que vejo no meu dia a dia no consultório, na maioria das mulheres menopausadas, é a queda capilar mais expressiva, com rarefação e perda de volume capilar, os fios ficam mais ‘rebeldes’, secos, quebradiços e sem brilho”.

Ana Paula Furst frisa que há produtos de aplicação tópica que ajudam a normalizar o ciclo do crescimento dos fios, que os mantêm na fase de crescimento, outros que são agregadores de massa para aumentar a densidade capilar, e que podem ser prescritos de acordo com cada caso. “Uma boa alimentação e a ingestão de no mínimo 2,5 litros de água por dia são fundamentais para uma boa saúde capilar. O cardápio deve conter alimentos ricos em aminoácidos (metionina, cistina, l-lisina), vitaminas (vitaminas A, C, E e H, que é a biotina), minerais (ferro, zinco, cobre, selênio), polifenóis e flavonoides, entre outros. Sugiro alimentos como nozes, castanhas, peixes, carnes, ovos, feijão, lentilha, leite, cenoura, abacate, caju, mamão e laranja.”

A mudança hormonal já é um obstáculo para a maioria das mulheres e ter de lidar com um cabelo diferente é mais uma carga da menopausa que pode até influenciar na autoestima. “As mulheres têm forte relação com seus cabelos, que estão intimamente relacionados à feminilidade e à sensualidade. As alterações presentes nessa fase da vida podem causar sentimentos de depressão, tristeza e baixa autoestima. A melhor forma de superar essa fase é encará-la com otimismo e fazer o que for necessário para continuar sendo feliz. Para isso, é importante procurar ajuda de um ginecologista e dermatologista para implementação de um tratamento eficaz que controle e corrija essas alterações que tanto incomodam. A medicina na área da dermatologia e tricologia evoluiu muito, não sendo mais necessário que mulheres sofram com problemas de cabelos em nenhuma fase da vida, inclusive na menopausa.” Clique aqui para ler mais.

Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos marcados com asterisco são obrigatórios. *

*