idosos criam repúblicas para viver final da vida entre amigos

Grupo de amigos aposentados que vive na residência autogerida Convivir, em Cuenca, na Espanha. CARLOS ROSILLO

Grupo de amigos aposentados que vive na residência Convivir, em Cuenca, na Espanha

Maya Santana, 50emais

À medida que as pessoas envelhecem, elas vão encontrando diferentes maneiras de morar. A experiência relatada neste artigo do El País é da Espanha. Pessoas mais velhas estão se unindo aos amigos e aderindo a projetos de moradia especificamente concebidos para idosos, de forma que todos possam morar perto uns dos outros. É a chamada co-habitação, que vem ganhando mais e mais adeptos. As construções dão forte ênfase à segurança dos moradores, instalando banheiros geriátricos, móveis sem quinas, botões de emergência em todos os quartos, entre outros dispositivos.

Leia mais detalhes desse tipo de moradia:

A amizade de Víctor Gómez e Cruz Roldán tem 46 anos. Conheceram-se em uma excursão na Serra Nevada, na Espanha, com um grupo de caminhada. “Mas era mais do que isso, era um grupo de estilo de vida”, relembra Roldán, hoje com 79 anos. Quando estavam com meio século de vida, perguntaram-se: “por que não nos vemos envelhecer?”. Quinze anos depois, moram com suas respectivas esposas em Convivir, uma república autogerida na cidade espanhola de Cuenca. Dezenas de amigos e familiares se entusiasmaram quando os dois casais de amigos propuseram a ideia de viver juntos, e hoje são 87 sócios que se identificam com o lema “dar vida à idade”.

O condomínio conta com todos os serviços de um asilo para idosos tradicional. “Mas não ficamos sentados o dia todo em uma cadeira entre desconhecidos”, explicou um dos amigos. Compartilham tarefas, mantêm-se ativos, mas conservam sua independência.

A velhice chega mais tarde hoje, mas pensa-se nela desde cedo. Os mais velhos atualmente —especialmente europeus e japoneses— vivem mais e não querem passar a última fase da vida entre desconhecidos ou “ser uma carga para os filhos”. É o que demonstra um estudo de 2015, realizado pelo ministério da Saúde espanhol, no qual mais da metade dos pesquisados acha pouco provável viver em um asilo, enquanto quatro em cada dez veem como alternativa a co-habitação. São moradias criadas e administrada pelos próprios idosos, que decidem entre amigos como e onde querem viver sua aposentadoria. Os apartamentos pertencem a uma cooperativa, mas podem ser deixados de herança para os filhos. Na Espanha, há oito projetos construídos e vários em gestação.

Trabensol, em Madri, outro projeto de moradia criado para pessoas mais velhas

Trabensol, em Madri, outro projeto de moradia criado para pessoas mais velhas

Falta pouco para a hora do almoço na Convivir e em uma das muitas salas comuns ouve-se Raffaella Carrà. Um aparelho de rádio e toca-fitas Sony vibra ao sol da música Porque El Amor, enquanto as pessoas dão risada. É uma oficina de risoterapia dirigida por Lourdes Ranera. Aprendeu essa técnica na Índia, ensinou-a por mais de 20 anos em Barcelona, e hoje faz rir todos os dias seus colegas de república. Os que não estão rindo, estão trocando de roupa depois de uma aula de ginástica a cargo de Timoteo, que antes de se aposentar era professor. Outros participam da aula de macramê oferecida por Amelia López, de 88 anos, a mais velha do lugar. A idade média é de 70 anos, mas respira-se um ambiente juvenil. “Vir para cá me rejuvenesceu! É a graça de morar em uma residência quando ainda estamos bem”, conta López. “Isso ajuda a não pensar em quando chegará sua hora ao parar de trabalhar”, acrescenta Roldán.

Apesar desse tipo de moradia colaborativa estar se consolidando há pouco tempo na Espanha, Rogelio Ruiz, arquiteto da eCohousing, recebeu quase 1.000 pedidos de informação sobre este modelo de república. Sua equipe venceu um concurso de arquitetura com uma das duas residências do tipo construídas em Madri, chamada de Trabensol: “Achávamos muito estranho fazer casas para pessoas que não sabíamos quem eram, nem como queriam morar. Agora tomamos as decisões com eles. Se há alguém que trabalhou com jardinagem, opina nas áreas verdes, e se há uma enfermeira, fala sobre como deve ser a área de saúde”.

Todas as residências de co-habitação devem cumprir os requisitos de um ambiente tradicional para idosos: banheiros geriátricos, móveis sem quinas, botões de emergência em todos os quartos, entre outras coisas.Clique aqui para ler mais.

Compartilhe!

14 comentários

  1. Sempre pensei nesta possibilidade de um condomíneo p idosos deste tipo.Tem cozinha comunitária???Posto de saúde pequenas urgências?

  2. Aqui no Brasil,contamos com esse tipo de condomínio geriátrico,como os da Hespanha,se tiver por favor passar endereço.

  3. Eliseu Camargo Martins

    Com meus cumprimentos à Maya Santana por seu excelente trabalho. O 50emais traz sua parcela de contribuição para o cenário gerontológico , de modo particular, para o Brasil, país que está caminhando celeremente para a inversão demográfica. Há que nos preocuparmos, e trabalharmos rapidamente na questão das políticas públicas voltadas a população idosa.
    Conte com o nosso apoio.

    Eliseu Camargo Martins
    Gerontólogo

  4. francisco carlos drumond

    Boa noite a todos.
    Estou pesquisando sobre republica para idoso,pois tenho um projeto de montar uma para 10 idosos, aposentados e que gostem de orta,galinha,porco,jardim medicinal enfim uma chácara de 2200 m2 com suítes individuais ,cozinha comunitária,salão de jogos,leitura.Eu serei o administrador do empreendimento.Localização fica a 14 km do centro de RIO DAS OSTRAS, 16 km do CENTRO DE CASEMIRO DE ABREU, rio de janeiro.Bom a intensão e morar lá também só não sei se vai dar certo.
    Se tiver alguém com essa mesma experiencia por favor me de informações para que possa iniciar o projeto bem estruturado.
    Desde já muito obrigado

  5. Amei a ideia ,por favor gostaria de saber preço pois sou aposentada adoro viajar e seria uma otima oportunidade de conhecer pessoas e nao incomodar filhos ..obrigada aguardo resposta .

  6. Ruth Bezerra da Silva

    Gosto dessa idéia .

  7. Maria Goretti Pungirum Soares

    Amei a ideia ,por favor gostaria de saber preço pois estou aposentando e pretendo sim juntar a pessoas com faixa etária a qual me encontro. adoro viajar e seria uma otima oportunidade de conhecer pessoas e nao incomodar filhos ..obrigada aguardo resposta .

    • Maria Goretti, este projeto descrito no artigo é na Espanha. Mas aqui no Brasil há muitos projetos de condomínios para pessoas que passaram de 60 anos. Vai depender de onde você mora. São Paulo é o estado que tem mais projetos desse tipo. Forte abraço pra você!

  8. Gostaria de ter mais informações sobre projetos desta natureza, já instalados em São Paulo. Agradeço desde já a atenção.

Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos marcados com asterisco são obrigatórios. *

*

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.