Idade não é empecilho para experimentar no sexo

Os principais estudos sobre sexualidade confirmaram não existir limite de idade para o exercício da sexualidade

Estudos sobre sexualidade confirmaram não existir limite de idade para o exercício da sexualidade

Maya Santana, 50emais

Este ótimo artigo da psicanalista e escritora Regina Navarro Lins fala de um assunto que interessa muito de perto a um número grande de pessoas, especialmente as já do lado de lá da fronteira dos 60 anos. É comum, ela própria comenta isso no seu blog – http://reginanavarro.blogosfera.uol.com.br/ -, acharem que, depois de uma certa idade, o homem e a mulher perdem seu interesse por sexo. Uma grande inverdade, que Regina desmistifica muito bem.

Leia:

Comentando o “Se eu fosse você”

A questão da semana é o caso do internauta, de 71 anos, casado com uma mulher de 64. Os dois fantasiam fazer sexo com mais um homem na cama. Ele pergunta se isso é recomendado na sua idade ou seria melhor os dois se aquietarem.

Os principais estudos sobre sexualidade confirmaram não existir limite de idade para o exercício da sexualidade.

Mas todos os preconceitos que se tem contra a velhice — acredita-se que as pessoas mais velhas sejam improdutivas, senis, incapazes de mudanças — fazem com que os idosos sejam considerados assexuados, como se sexo e juventude fossem sinônimos.

Assim, o homem estaria condenado a não ter ereção e a mulher, depois da menopausa, não se interessaria mais pelo assunto.

Quando se vê um casal de velhos caminhando juntos, admira-se o carinho e o companheirismo, mas é difícil alguém imaginá-los juntos na cama, em atividade sexual.

Com toda essa pressão social, os velhos acabam se convencendo de que já passaram da idade, que sexo não é mais para eles.

É fundamental, portanto, que compreendam o que acontece com seus corpos, pra se adaptar às mudanças na fisiologia da resposta sexual e preservar o direito de ter sexo sem medo e com prazer.

Shere Hite no seu estudo sobre sexualidade masculina nos diz que “muitos homens na casa dos 60 podiam gozar tanto o sexo como quando eram mais jovens — e com frequência, para sua própria surpresa —, muito embora, no aspecto físico, estivessem sexualmente diferentes do que tinham sido na casa dos 20, e pudessem ter sexo ou orgasmo menos constantemente.”

Quanto à mulher, a sexóloga americana Helen Kaplan explica: “O destino da libido depende de uma constelação de fatores ocorrendo nesse período, inclusive mudanças psicológicas, oportunidade sexual e diminuição da inibição, especialmente se a mulher não está deprimida e pode encontrar companhias interessadas e interessantes.”

Não é difícil imaginar que o aumento da longevidade, aliado aos avanços da medicina e a novas técnicas de reposição hormonal para a mulher e medicamentos para manter a ereção do homem, conduz ao desenvolvimento de uma nova mentalidade quanto ao sexo praticado por pessoas idosas, até aquelas com bem mais de 70 anos.

Compartilhe!

Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos marcados com asterisco são obrigatórios. *

*

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.