Fabíola Simões: “Todos vamos envelhecer…”

A autora Fabíola Simões

A autora Fabíola Simões: bisturi algum vai dar conta do buraco de uma alma negligenciada anos a fio

“Todos vamos envelhecer…

Querendo ou não, iremos todos envelhecer. As pernas irão pesar, a coluna doer, o colesterol aumentar. A imagem no espelho irá se alterar gradativamente e perderemos estatura, lábios e cabelos.

A boa notícia é que a alma pode permanecer com o humor dos dez, o viço dos vinte e o erotismo dos trinta anos. O segredo não é reformar por fora. É, acima de tudo, renovar a mobília interior: tirar o pó, dar brilho, trocar o estofado, abrir as janelas, arejar o ambiente. Porque o tempo, invariavelmente, irá corroer o exterior. E, quando ocorrer, o alicerce precisa estar forte para suportar.

Leia também:
Entrevista: Adélia Prado chega aos 80 anos refletindo sobre o mundo

Erótica é a alma que se diverte, que se perdoa, que ri de si mesma e faz as pazes com sua história. Que usa a espontaneidade pra ser sensual, que se despe de preconceitos, intolerâncias, desafetos. Erótica é a alma que aceita a passagem do tempo com leveza e conserva o bom humor apesar dos vincos em torno dos olhos e o código de barras acima dos lábios. Erótica é a alma que não esconde seus defeitos, que não se culpa pela passagem do tempo. Erótica é a alma que aceita suas dores, atravessa seu deserto e ama sem pudores.

Desaprendemos a valorizar aquilo que é importante, o que é eterno, o que tem vocação de eternidade. O tempo tornou-se escasso, acreditamos que “perdemos tempo” quando lemos um livro inteiro, quando passamos horas com nossos filhos, quando oramos ou viajamos com a família. E nos iludimos achando que poderemos “segurar o tempo” cuidando da flacidez, esticando a pele, preenchendo espaços.

Aprenda: bisturi algum vai dar conta do buraco de uma alma negligenciada anos a fio.”

Nota: Este texto tem sido atribuído erroneamente à Adélia Prado. Porém, está registrado na Biblioteca Nacional como obra de Fabíola Simões e é parte integrante do livro “A Soma de todos os Afetos”, de Fabíola Simões.

Compartilhe!

29 comentários

  1. Maria José do Carmo Mármori

    Amei o testo “TODOS VAMOS ENVELHECER”

  2. Vindo de Adeloa Não se pode esperar outra coisa o tempo é voraz não perdoa nada e ninguém, felizes os que usaram com sabedoria o tempo.

  3. É num é? Poema danado de lúcido e de beleza. Um dos remédios pra se envelhecer bem é cuidar do interno.

  4. Maria Luiza Marchi Calit

    Só uma escritora e poeta poderia dar conselhos tão úteis. Deixa a idade nos levar….

  5. A grande poeta ou, poetisa e, funcionária pública escolhe sempre palavras oportunas, com toda a sua grandeza e admirável naturalidade.

  6. QUE PALAVRAS FANTÁSTICAMENTE VERDADEIRAS . É A ALMA REALMENTE QUE SE MANTÉM JOVEM E BELA, O CORPO SE DESFAZ MAS A ALMA SE COMPRAZ… UM ABRAÇO LINDA POETISA, CONTINUE SEMPRE ESCREVENDO, NOS TRAZENDO FORÇAS PARA SEGUIRMOS EM FRENTE.

  7. Amei……

  8. Lindooooooooooooooooooooooooo

  9. Lindo texto, ame.

  10. Ana Maria Monteiro Gratacos

    Lindo !!! Adorei !!! Pura verdade ….

  11. RITA CÁSSIA RODRIGUES

    AMO ADÉLIA PRADO

    ELA É SIMPLESMENTE FANTÁSTICA .PARABÉNS PELO ANIVERSÁRIO

    QUE DEUS LHE ABENÇÕE

  12. Querida Adélia Prado! Você falou lindo! Quem bom ler você e saber que tenho acertado! Tenho até um pouco de vergonha às vezes por me sentir com trinta!kkkk Mas é bom demais! Obrigada!

  13. Só hoje, dia de Santa Luzia, consegui abrir este texto. Carmen. Obrigado pelo belo texto. Geraldo

  14. Ana Maria Bruno Raffa

    Maravilhoso!!!

  15. De alma ela entende. Pena que não entenda também de política brasileira.

    • Uma criatura tão lindamente poética não necessita da política para uma perfeita sobrevivência!!! Precisamos de mais poetas e de menos políticos! E de críticos menos cruéis…

  16. Maria Verônica da Silva Dantas

    Belíssimos textos!

  17. Como sempre Adélia arrasa!

  18. Adélia: mulher para ler e enternecer.
    Envelhecer lendo Adélia – Envelhecer escutando Adélia…
    Envelhecer junto e com Adélia – Alegra -nos assim – a leveza de Adélia!

  19. Soube que este texto não é de Adélia Prado, mas de Fabíola Simões. Alguém sabe alguma coisa? Às vezes a internet confunde muito com informações truncadas.

  20. Não, o poema é de Adélia Prado!!! Acho que você não conhece a poetisa!

  21. rita de cassia cantarino silvestre

    muito bonito viu conheci este poema num encontro budista amei

Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos marcados com asterisco são obrigatórios. *

*

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.