Aids cresceu 80 por cento entre idosos e continua crescendo

Dr. Caio Rosenthal um dos maiores especialistas em aids do Brasil

Dr. Caio Rosenthal um dos maiores especialistas em aids do Brasil

Ana Maria Cavalcanti –

Já passou pela sua cabeça que seu avô ou sua avó poderia estar com Aids? É uma idéia chocante, mas o fato é que o HIV cresceu 80% entre os idosos, nos últimos 12 anos, aqui no Brasil, segundo o Ministério da Saúde. Para entender porque isso está acontecendo, o 50emais foi conversar com um dos infectologistas mais renomados do Brasil, Dr Caio Rosenthal.

Foi no Hospital Emílio Ribas, em São Paulo, onde trabalhou por 37 anos, que ele tratou dos primeiros casos da doença no Brasil, no começo dos anos 80. De lá pra cá, Dr Caio diz que a Aids foi mudando de cara: primeiro atingiu os homossexuais, depois heteros através de drogas injetáveis e transfusão de sangue contaminado. Hoje ela atinge a todos, homens e mulheres. Jovens e idosos.

O Sr. sentiu este crescimento da Aids na terceira idade em seu consultório e nos hospitais onde trabalhou?
Verificamos o aumento do HIV desta faixa etária tanto no atendimento privado como no público. Grande parcela dos idosos de hoje iniciaram o tratamento quando mais jovens, na década de 90. Portanto carregam consigo o vírus há 20 ou 30 anos. A outra parcela, que vem crescendo, são aqueles que adquiriram o vírus mais recentemente. Tenho um caso bem emblemático: um paciente que aos 78 anos tornou-se viúvo e passou a se interessar por travestis. Acabou adquirindo o vírus. Outros idosos, com o advento dos medicamentos para disfunção erétil, como o Viagra, retornam à vida sexual e, por não conviverem com a “cultura” do uso da camisinha ou até mesmo pelo embaraço que provoca, passam a desprezá-la.

No caso de uma pessoa idosa, quais são os complicadores a mais, em virtude da idade?
Os idosos têm mais doenças que chamamos de co-morbidades, muitas delas próprias da idade, como hipertensão arterial, doença cardiovascular, prejuízo da função renal, osteoporose e alguns tipos de câncer. Um fato muito dramático também nesta idade é que geralmente o idoso sofre enorme censura e preconceito por parte da família. Ele esconde que está com Aids por vergonha, e para poupar os parentes de levá-lo ao médico e comprar remédios. Resultado: acabam abandonados, marginalizados, morrendo sem tratamento e sem atenção médica.

grande parte dos idosos com HIV hoje, são remanescentes dos anos 90 e início dos anos 2000

Grande parte dos idosos com HIV hoje, são remanescentes dos anos 90 e início dos anos 2000

No Emilio Ribas, entre as pessoas idosas, 78% são homens. Por que eles se infectam mais que as mulheres idosas?
Como disse, Portanto, este segmento é maior entre o sexo masculino em função do predomínio dos homossexuais.
Entre os idosos que adquiriram o vírus mais recentemente, podemos dizer que a prevalência do sexo masculino é uma questão cultural, pois sabemos que o homem tem mais liberdade para a vida sexual do que as mulheres.

O tratamento do idoso é diferente daquele dado a um paciente jovem?

O tratamento do HIV é igual em todas as faixas etárias. O que constatamos é um número maior de medicações para combater as co-morbidades em idosos. Essa enorme variedade de remédios precisa ser processada pelo fígado para serem absorvidos na corrente sanguínea. Para fazer isso, o fígado oferece algumas vias de acesso. Passa a haver, então, uma disputa quando medicamentos que utilizam essa mesma via são ingeridos simultaneamente. Isso pode prejudicar a absorção dos antivirais. Ou ainda aumentar o problema.Por exemplo, alguns remédios para gastrite competem com os anti-virais no fígado e não é recomendado seu uso simultâneo..

Com os novos remédios as pessoas infectadas estão vivendo mais e com + qualidade de vida. Entretanto, na prevenção da doença, os resultados não são tão positivos. Quem está se infectando mais?
Há tendência de aumento entre as mulheres, população de mais jovens e de mais idosos. Os dois extremos da faixa etária. Os jovens, por falta de informações ou até mesmo por acreditarem que os remédios são suficientes para manutenção da vida, estão com altíssimo grau de exposição. Até mesmo porque não conviveram na época em que a epidemia era como uma sentença de morte, sem medicamentos e com grande repercussão na mídia. E os mais velhos, pelos motivos que já comentei.

Que comendação você daria a mulheres idosas para evitar a Aids?

As mulheres idosas que se contaminam hoje em dia,são em sua maioria vítimas de seus parceiros sexuais, que trazem o vírus para casa a partir de contatos extraconjugais. Deve haver um maior grau de responsabilidade destes parceiros, diálogos francos e principalmente o uso do preservativo.

Compartilhe!

2 comentários

  1. Parabéns pela matéria!
    A sexualidade sempre fica dentro do armário!

  2. Muito interessante a sua entrevista, Ana, gostei muito, pena que foi meio curta. Um grande abraço para você.

Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos marcados com asterisco são obrigatórios. *

*

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.