Aos 68, morre Fernando Brandt, autor de Travessia

Fernando Brandt, Lô Borges, o ex-presidente Juscelino Kubistchek, em Diamantina

Fernando Brandt, Lô Borges, ex-presidente Juscelino Kubistchek e Milton Nascimento, em Diamantina

Autor de clássicos, como Travessia, Canção da América, Maria, Maria e tantas outras músicas inesquecíveis, Fernando Brandt foi parte fundamental da minha juventude em Minas Gerais. Esta manhã, Levei enorme susto e fiquei consternada quando li no portal Uai a notícia da sua morte prematura.

Leia:

O compositor Fernando Brant morreu na noite desta sexta-feira (12/6), em Belo Horizonte, aos 68 anos, de complicações decorrentes de uma cirurgia de transplante de fígado. Submetido a uma primeira operação na terça passada, o músico teve rejeição ao órgão transplantado e passou por um segundo transplante, na madrugada de sexta. Ao longo do dia, sua saúde se deteriorou. A família confirmou a morte por volta das 21h40. Fernando deixa duas filhas, Isabel e Ana Luisa, e também um terceiro, Diógenes, seu ‘filho do coração’. Ele deixa ainda dois netos e a esposa, Leise.

Compositor morreu em consequência de uma cirurgia de transplante de fígado

Ele morreu após uma cirurgia de transplante de fígado

Fernando Rocha Brant nasceu em Caldas, no Sul de Minas, em 9 de outubro de 1946. Veio para Belo Horizonte aos 10 anos. Na infância, estudou no Grupo Barão Rio Branco, no Colégio Estadual Central e no Colégio Arnaldo, de onde se lembrava com carinho: “Era um negócio muito rígido, aquele negócio de castigo depois da aula, coisa assim. Mas era um colégio que tinha campo de futebol, piscina, jogava-se finca, bola de gude, que era tudo de terra em volta das salas de aula. Hoje está tudo cimentado”, disse Fernando em um depoimento ao Museu Clube da Esquina.

Conheceu Márcio Borges e Milton Nascimento na noite de Belo Horizonte. Os parceiros de Clube da Esquina tiveram afinidade imediata. “E o Milton é que depois me falou: “Eu vou ser amigo desse cara aí”. Pouco tempo depois, na porta do Maleta, o Zé Fernando nos apresentou. Aí a gente entrou no bar, sentamos à mesa e começamos a conversar. Depois fomos em outro, na praça Raul Soares. E nós passamos a noite inteira assim, conversando, rindo pra danar, e ficamos amigos. As duas versões estão certas, elas se completam”.

Milton se mudou para São Paulo em 1965, mas encontrava-se com Brant e Borges de 15 em 15 dias. Em um desses encontros, pediu para o amigo Fernando escrever uma letra para uma melodia triste que havia composto. De início, Brant relutou, mas a insistência de Bituca acabou por convencê-lo e assim nasceu ‘Travessia’.

Brant custou para mostrar a letra ao parceiro. No escritório do pai, em casa, entregou a “encomenda” e os dois tomaram um vinho de Caldas para comemorar. Consta que o violão, emprestado por uma das irmãs de Fernando, ganhou o autógrafo de Bituca. A parceria não venceu o Festival Internacional da Canção (FIC), no Rio de Janeiro.’Travessia’ ficou em segundo lugar, mas conquistou o Brasil. Clique aqui para ler mais.

0 Compart.

2 comentários

  1. Então é assim, as pessoas se vão. Fernando Brant foi pro Reino do Encantado. Mas antes, deixa aqui várias gerações encantadas com um punhado de suas músicas.

  2. Fernando, descanse em Paz! Valeu sua jornada aqui na Terra. Deixou muitas pegadas musicais.
    Beijos.

Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos marcados com asterisco são obrigatórios. *

*