Aos 78, ela já cruzou mais de uma dezena de países de bicicleta

Ethel MacDonald, 78, ex-professora de francês, depois de aposentada, montou na biclicleta e não saiu mais

Maya Santana, 50emais

Eu sempre admiro pessoas que, mesmo sendo mais velhas do que eu – estou com 66 anos -, são capazes de se engajar em aventuras nas quais eu jamais me lançaria. Por puro medo, devo confessar. Veja o caso da americana Ethel MacDonald, professora de francês aposentada que, aos 78 anos,já percorreu nos Estados Unidos e na Europa mais de 16 mil quilômetros. A ex-professora só começou a pedalar quando já estava perto dos 40. Divorciou-se, trocou de cidade e fez do veículo de duas rodas seu meio de transporte. Algum tempo depois de aposentada, em 2003, pegou a estrada com sua valente bicicleta e não largou mais. Viajar, encontrar ciclistas de outros países, tornou-se a atividade principal de sua vida.

Indo para o mundo

Ethel pedalou por todo lado dentro dos Estados Unidos. Depois, resolveu se aventurar lá fora e foi para a Europa. Começando pela França ( a forte ligação com a língua francesa fez com que decidisse iniciar seu tour pelo país), já cruzou de bicicleta a Holanda, Bélgica, Alemanha, República da Irlanda, Irlanda do Norte, Dinamarca, Espanha, Portugal e vários outros países. O mais incrível é que é uma aventura solitária, Ethel, nascida no estado de Montana, fez tudo isso sozinha, montada em sua intrépida bicicleta cor de rosa. “Eu me sinto como se fosse meu próprio patrão”, disse ela à CNN. emissora internacional de TV, explicando: “Gosto de fazer o que quero sem precisar esperar que outra pessoa se apronte.”

É impossível não admirar a disposição e o espírito de aventura desta senhora, que vai colecionando amizades por onde passa. Para economizar, ela não se hospeda em hotel. Fica em locais específicos para mochileiros. Costuma fotografar as pessoas com quem mantém contato, ciclistas ou não. Tudo organizado numa espécie de álbum onde ela vai colecionando as memórias das viagens que faz. “O que mais gosto nessas viagens é a troca cultural,” diz, dando uma boa dica para quem gosta de ciclismo e pretende um dia pedalar pela Europa: os melhores países para ciclistas são Holanda, Dinamarca e Alemanha. Holanda e Dinamarca, segundo ela, são países feitos para ciclismo. Depois, vêm a França e a Bélgica. As paisagens que mais encantaram seus olhos “possivelmente” estão na França.

A ex-professora de francês escolheu uma vida de aventuras

Ethel acha que conseguirá continuar pedalando por pelo menos mais dois anos. Mas já começa a pensar em reduzir um pouco as atividades ciclísticas. O ano passado, ela esteve nas Filipinas, na Ásia, onde, durante oito dias, pedalou mais de 500 km.

E quais são seus planos, qual o próximo país que gostaria de conhecer montada em sua bicicleta? Ela tem a resposta pronta: “Gostaria de ir a Cuba, agora que os Estados Unidos cortaram algumas restrições.”

Boa sorte, Ethel! É o mínimo que posso desejar a esta mulher invejável.

Compartilhe!

Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos marcados com asterisco são obrigatórios. *

*

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.