As incríveis invenções que facilitam a vida dos velhos no Japão

Em 2030, quase um terço da população do Japão será formada de idosos

Em 2030, quase um terço da população do Japão será formada de idosos

Maya Santana, 50emais

Quando se fala em longevidade, viver mais de 100 anos, o primeiro país que vem à cabeça é o Japão. O país asiático com cerca de 128 milhões de habitantes é o que tem o maior número de velhos do mundo. Os números são assustadores: em menos de 15 anos, em 2030, um terço da população japonesa terá mais de 60 anos. É também o país que possui maior número de invenções para facilitar a vida dos idosos. Não é atoa que seus habitantes estão entre os que desfrutam de melhor qualidade de vida, como mostra esta reportagem da BBC Brasil.

Leia:

Em 2015, o número de pessoas com mais de 80 anos alcançou 10 milhões pela primeira vez, e a perspectiva é que o envelhecimento continue avançando.
Autoridades calculam que praticamente um terço da população japonesa será idosa em 2030.

Mas o Japão também é um dos países em que a terceira idade desfruta de melhor qualidade de vida – depois de Suécia e Noruega -, segundo informe de 2013 da HelpAge International, rede internacional de organizações pelo direito dos idosos.

E a forma como o país usa a tecnologia tem muito a ver com isso. Confira.

1. Códigos QR nas unhas para problemas de memória
A demência é uma das enfermidades que mais afetam as pessoas em terceira idade em todo o mundo.
Mas o país asiático encontrou uma solução para que, na medida do possível, pessoas afetadas por problemas de memória possam encontrar o caminho de casa caso se percam.

Em Iruma, cidade ao norte de Tóquio, muitos moradores com demência senil estão sendo monitorados por meio de códigos de barra quadrados, os QR codes, instalados nas unhas dos dedos das mãos e pés.

Os adesivos com códigos aderem às unhas e fornecem dados básicos sobre a pessoa

Os adesivos com códigos aderem às unhas e fornecem dados básicos sobre a pessoa

Os QR codes também são conhecidos como “códigos de resposta rápida” (daí a sigla QR, iniciais de “quick response”, “resposta rápida” em inglês) e armazenam informações pessoais em uma matriz de pontos ou em um código de barras bidimensional.

Esses códigos estão sendo colocados em adesivos de um centímetro, e reúnem dados do idoso, como endereço de casa e telefone de contato.
O serviço é gratuito e foi lançado em dezembro de 2016 pela primeira vez no país.

A tecnologia permite à polícia obter dados pessoais da pessoa apenas escaneando o código, que é a prova d’água e pode ficar grudado na unha por até duas semanas.

Segundo um policial relatou à agência de noticias AFP, o novo método tem vantagens em relação ao sistema anterior.
“Já existiam adesivos com QR codes para roupa ou sapatos, mas pessoas com demência nem sempre os usavam.”

Robôs para cuidado de pessoas mais velhas são populares no Japão; um deles é o "Ri-Man" (na foto), desenvolvido há uma década

Robôs para cuidado de pessoas mais velhas são populares no Japão; um deles é o “Ri-Man” (na foto), desenvolvido há uma década

2. Carrinhos de golfe

O objetivo também é reduzir o crescente número de acidentes de trânsito, muitos causados por motoristas de idade avançada.

Com a medida, autoridades locais pretendem aumentar a segurança e também atrair turistas à cidade, uma pequena vila costeira.

Nos carros de golfe, controlados por um imã e um sensor integrado, os idosos podem se deslocar até três quilômetros a uma velocidade entre 6 e 12 km/h sobre uma faixa eletromagnética escondida sob a pista.

Os veículos têm motorista e possuem cortinas para proteger os passageiros da chuva e do vento, conforme informou o jornal japonês Asahi Shimbun.
Mas há um porém: o serviço opera apenas por quatro horas duante o dia e não está disponível à noite. Clique aqui para ler mais.

Compartilhe!

2 comentários

Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos marcados com asterisco são obrigatórios. *

*

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.