Aumento da expectativa de vida muda perfil dos novos velhos

Mary Lage, de 66 anos, se encantou com os paredões de Verdon, na França, que escalou em companhia do marido, Everton, de 60

Mary Lage, de 66 anos, se encantou com os paredões de Verdon, na França, que escalou em companhia do marido, Everton, de 60

São pessoas com muita saúde, intrépidas, que, mesmo já tendo passado dos 60 anos, encaram a vida com toda disposição, sempre ultrapassando os limites da idade cronológica. Com seu jeito de viver, eles são a encarnação do que se pode chamar de envelhecimento ativo. Muito boa esta reportagem de Carolina Cotta, do Estado Minas. Uma injeção de ânimo para quem já virou a curva dos 60.

Leia:

Os fins de semana de Mary são “na pedra”. É na natureza que ela experimenta um dos prazeres da vida. A escalada é também o ganha-pão: de segunda a sexta-feira, ela trabalha na loja da academia; sábado e domingo, está à frente de um camping na Serra do Cipó. Pedro prefere sua magrela. Difícil uma semana em que não faça pelo menos 100 quilômetros. Só não pedala mais por causa do trabalho, da faculdade e do namoro: é preciso saber dividir o tempo. Lia gosta do agito da academia: são pelo menos quatro horas por dia. A zumba é uma das aulas preferidas. Heloísa é a turista do grupo. Acaba de voltar de um tour pela Itália, com as amigas, claro. Alexandre é um homem do mundo. Não sai do aeroporto. Em 30 dias, vai “bater ponto” em seis países diferentes. É trabalho, trabalho e trabalho de novo.

Mary, Pedro, Lia, Heloísa e Alexandre somam 364 anos. Para as estatísticas, são idosos. Para quem os conhece pela disposição, estilo de vida e novos planos, são mais jovens que muita gente que se agarrou ao controle remoto da TV como se a vida acabasse aos 60. Todos eles são personagens da “Revolução da Longevidade”, que veio para mudar a ordem social. Para Alexandre Kalache, o Alexandre aí de cima, que, como doutor em envelhecimento e saúde pública e presidente do Centro Internacional da Longevidade no Brasil, cruza os continentes falando sobre o assunto, às vésperas de estrear na casa dos 70 anos, é uma revolução silenciosa com efeitos gritantes para a sociedade. “Pela primeira vez na história da humanidade, o grupo etário que mais cresce, em todo o mundo, é o dos que têm mais de 60 e menos de 80 anos”, comemora.

Envelhecer, hoje, é, principalmente, ultrapassar os limites da idade cronológica e saber aproveitar o bônus de longevidade conquistado. Mais do que um fenômeno biológico, esse é um amplo processo social que precisa de boa saúde, rede de relações e condição financeira. Preparar-se para tal momento, contemplando todos esses aspectos, é o caminho para vivenciá-lo com plenitude. Para a geriatra e gerontóloga Andréa Prates, mestre em promoção de saúde e coordenadora executiva do Centro Internacional de Informação para o Envelhecimento Saudável (Cies), é preciso desconstruir o modelo de velhice arraigado na sociedade e trazer outra visão sobre o passar do tempo, abandonando a construção social estereotipada que conhecemos, aquela na qual ainda se vê o número, a idade cronológica, e não a pessoa. Clique aqui para ler mais.

0 Compart.

Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos marcados com asterisco são obrigatórios. *

*

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.