Eles receitam brinquedo erótico para animar sexo pós-menopausa

É preciso deixar de lado os preconceitos, começando por ver o sexo de maneira mais natural. Foto: reprodução da internet

É incrível como sexo, assim como a morte, uma das poucas coisas certas da vida, ainda é cercado de tanto tabu. Quando se trata de sexo depois de uma certa idade, aí é que ninguém toca no assunto mesmo. Falar, então, de objetos eróticos para melhorar a vida de maiores de 50/60 anos torna-se um verdadeiro pecado.

Mas é exatamente isso que uma médica inglesa e outros especialistas estão receitando. Veja o que diz a ex-enfermeira e empresária Samantha Evans sobre o uso de brinquedos eróticos: “Apesar de vistos como sujos, são testados e seguros. Trazem o sexo de volta para pessoas que tinha desistido dele. E quando me perguntam como são os brinquedos eróticos para idosos, fico perplexa: claro que são os mesmos dos mais jovens, por que seriam diferentes?”

Também defendendo o uso desse tipo de objeto para tornar o sexo mais satisfatório, a doutora Louise diz que a pandemia “é uma boa oportunidade para refletir sobre o bem-estar e explorar o próprio corpo, deixando de se envergonhar”.

Leia a reportagem de Mariza Tavares, do blog Longevidade: Modo de Usar, do portal G1:

A vantagem do mundo virtual é ter podido participar de um seminário sobre longevidade em Londres. O encontro, chamado “Longevity Leaders”, ocorreu de 19 a 22 de maio, apoiado num tripé de discussões relacionadas ao envelhecimento: ciência, bem-estar e riscos. Sexo inclusive. Esse painel reuniu a médica Louise Newson, que ano passado lançou o livro “Menopause manual” (“Manual da menopausa”), um best-seller na Amazon, e dois representantes da indústria de brinquedos eróticos: Adam Lewis e Samantha Evans. Para a doutora Louise, a pandemia “é uma boa oportunidade para refletir sobre o bem-estar e explorar o próprio corpo, deixando de se envergonhar”.

A afirmação vem da constatação da perda de autoestima que as mulheres enfrentam depois da menopausa. “Os sintomas da menopausa são físicos e psicológicos e as mulheres se sentem desconfortáveis com seu corpo. Cerca de 75% apresentam ressecamento vaginal, mas ficam constrangidas de falar sobre o assunto e se retraem, abrindo mão de explorar sua sexualidade.

Leia também: Sexo depois dos 50 anos – os problemas que eles e elas enfrentam

É uma pena, porque esse é um problema que pode ser contornado, evitando que o sexo seja doloroso. A pós-menopausa poderia ser um período libertador”, analisou a médica, acrescentando que as mudanças de humor nessa fase levam muitas pacientes a serem diagnosticadas com depressão: “elas passam a tomar antidepressivos, que afetam negativamente a libido, quando poderiam se beneficiar, com a devida supervisão médica, com a reposição hormonal, já que o tratamento tem que ser personalizado”.

Com formação em enfermagem, Samantha Evans é cofundadora da Jo Divine, uma empresa de objetos eróticos, e também escreve sobre como ter mais prazer. Lamenta que os profissionais de saúde não tenham treinamento para orientar seus pacientes e garante que dicas simples podem melhorar a vida íntima das pessoas e que os brinquedos eróticos ajudam a conhecer o corpo: “apesar de vistos como sujos, são testados e seguros. Trazem o sexo de volta para pessoas que tinha desistido dele. E quando me perguntam como são os brinquedos eróticos para idosos, fico perplexa: claro que são os mesmos dos mais jovens, por que seriam diferentes?”.

Leia também: Nove artifícios que tornam o sexo possível e mais gostoso na terceira idade

Adam Lewis, criador do Hot Octopus, diz que a forma como a sociedade se relaciona com o tema é cheia de estereótipos: “o sexo não acaba aos 50 ou 60 anos. Os corpos mudam, mas a sexualidade permanece, só que a falta de uma discussão ampla e aberta leva ao desconhecimento e ao preconceito. Nem sempre é possível o homem tomar Viagra ou outra medicação similar, mas há objetos eróticos capazes de manter a ereção”.

Os três concordaram que o preconceito resulta inclusive na falta de políticas públicas para os idosos nessa área: “há políticas e campanhas voltadas para adolescentes e mulheres jovens, e um enorme silêncio se abate sobre quem tem mais de 50. Esse grupo acaba ficando exposto a doenças sexualmente transmissíveis”, avaliou Louise Newson.

Leia também: Depois dos 60, não se faz sexo pelo prazer do momento


165 Compart.

Um comentário

  1. Os brinquedinhos eróticos,são muito prazeirosos em qualquer idade,eu tenho 51 anos e sempre usei em minhas namoradas,a relação fica bem mais apimentada,principalmente nas preliminares,pra deixar a mulher excitada e bem molhada,a ultima namorada que tive tinha 70 anos e tinha secura, mais com o usar dos brinquedinhos,e com muitos carinhos voltou a ficar molhada com muito tesão,depois dos brinquedinhos a penetração do pênis e muito mais facil e prazeiroso. Se quiserem saber mais robertopereirasantos952@gmail.com posso te dar umas dicas,nunca e tarde pra sentir prazer.

Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos marcados com asterisco são obrigatórios. *

*

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.