Espero ainda ter tempo para viver no novo mundo que vai nascer

A enfermeira de UTI, Kelsey Kerr, recebe o abraço de sua mãe Cheryl Nortonm, que se protegeu usando um lençol. Foto: Liz Dufour

Déa Januzzi, 50emais

    Até gostaria de ter aprendido a bordar, costurar e a ser exímia dona de casa, para passar esta quarentena de um jeito mais suave. Isolada socialmente por causa da Covid-19, os únicos prazeres da minha vida são escrever, caminhar, encontrar os amigos e tomar vinho em companhia deles, degustando conversas longas, trocando ideias e risadas.

   A minha geração não quis aprender tarefas domésticas, apesar de não ter me faltado oportunidade. Minha mãe – com o significativo nome de Amélia – fazia crochê e tricô com tamanha competência que as filhas dela têm colchas lindas. A minha geração teve que correr atrás de um lugar no mercado de trabalho, de se posicionar em um mundo masculino fechado. Entrei para a redação de um jornal mineiro, em 1974, depois de me formar na Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas (Fafich) da UFMG.

   Não tive tempo nem paciência para aprender a fazer tricô e crochê e, na época, queria ser diferente de mulheres como dona Amélia que ficavam entre quatro paredes, sob as ordens do marido.  Mas voltando ao isolamento imposto pelo Coronavírus, hoje me arrependo de não ter habilidades domésticas. Passada essa pandemia mundial, nada será como antes, graças aos sinais do Universo. Acredito que a simplicidade dará o tom de um mundo menos competitivo, hipócrita e desajustado, onde o lucro é a moeda corrente.

Leia também: Novo coronavírus – veja como preservar o seu sistema imunológico

   Se sobreviver a essa pandemia tenho certeza de que não haverá mais lugar para o consumo desenfreado, para a exibição de luxo e riqueza, para a ganância. Não haverá lugar nas ruas e avenidas para tantos carros. O isolamento obrigatório está provando que até a natureza agradece a quarentena, o sumiço da multidão de pessoas. Devagar, até os bichos estão retornando aos seus habitats naturais. Sem a presença predadora do ser humano, a natureza reina absoluta, senhora de si – e se recupera dos desastres ambientais, das serras elétricas assassinas que derrubam árvores e agridem, com violência, o Planeta.

   Vivi um tempo na Serra do Cipó, a 100 quilômetros de BH, essa última cidade onde nasci, cresci, tive meus relacionamentos, estudei, vivi um emprego formal durante 39 anos, um único filho e projetos e sonhos de uma vida alternativa. Sonhei até com um lugar para passar a velhice com amigos, que teria o sugestivo nome de Aldeia da Sabedoria, mas não deu certo. Tentei a Serra do Cipó, considerada um paraíso pelos turistas – e apesar de ainda ser um lugar lindo, o ser humano me fez desistir de lá, pois estava exterminando com os rios, jogando bichos mortos, fraldas descartáveis, garrafas de plástico e tudo o que produz em excesso. Não suportei os incêndios nos lotes, nas flores, capins e cipós do Cerrado. O fogo lambendo a Serra do Espinhaço. Não suportei os beija-flores voando sem rumo por causa do fogo.

Leia também: Como estou enfrentando a quarentena no interior de Minas

  Voltei para BH e aqui estou confinada em um apartamento alugado de dois quartos, sem ver a Lua e as estrelas como costumava fazer na Serra do Cipó. Aqui, onde moro, a janela de um apartamento dá para a outra janela do prédio vizinho. Você escuta tudo o que eles falam, quando arrastam móveis, quando disparam a descarga do vaso sanitário, tomam banho – e brigam uns com os outros.

  Resta-me, então, escrever, o que é vital para mim. Quando escrevo, liberto os pássaros aprisionados dentro de mim. Quando escrevo, posso soltar labaredas, incendiar a minha alma, sem causar estrago a ninguém e a lugar algum. Quando escrevo, faço faxina nos meus pensamentos, limpo as quinas do meu coração. Quando escrevo posso dizer que a natureza é o meu Deus, e que as florestas são templos do meu ser. Quando escrevo, rezo sem professar nenhuma religião, me abasteço, me embriago de sentimentos profundos, dou vazão aos meus oceanos internos. Quando escrevo, bordo e faço crochê com as palavras. Teço o melhor de mim. Voo alto, sem alçapões, gaiolas, sem correntes, sem a hipocrisia e a soberba de um mundo velho que está com os seus dias contados. Espero ainda ter tempo para viver nesse novo mundo, mais simples, ameno e generoso. Amém! 

Leia também: A quem está subestimando desejo ardentemente que não adoeça

1K Compart.

6 comentários

  1. Bela crônica Déa. Mas me dou o direito de contestar algumas coisinhas. Somos da mesma geração de jornalistas destas Minas Gerais. Mas aprendi sim, a bordar, crochetar, tricotar, lavar, passar e cozinhar. Só não faço por opção, coisa que nossas mães não tiveram. Optei por ler ( hoje releio A Peste), aprender idiomas (estou tateando agora no romeno e reforçando meu francês com Camus), trabalhar mundo afora (hoje no estúdio montado em casa), mas tenho feito sequilhos cada vez mais saborosos. Abrimos caminho para a opção. E hoje usufruimos desta escolha. Com o maior orgulho. Parabéns pelo texto

    • Oi, minha amiga, o que tentei dizer é que me arrependo de não ter aprendido. Minha mãe era suave, terna e valente como os doces que ela fazia tão bem. Dona Amélia hoje é uma referência para mim, mas na época eu era muito rebeldizinha e achava que cozinhar, costurar,. bordar, etc eram tarefas menores. E hoje, como me fazem falta. Obrigada Rachel Mattos pela mensagem.

    • Belíssima crônica Déa! Sem dúvidas o que esta pandemia está nos convidando a fazer é olhar para dentro de si. Estar em contato com nossa realidade nem sempre nos conforta, mas ao mesmo tempo é bastante desafiador. Que os novos ventos te permitam viajar em pensamentos e escrever cada vez mais para os admiradores de uma boa leitura. Vida longa!

  2. Adorei o texto.
    Nasci nos anos 80, numa época em que a mulher luta pelo seu espaço no mercado de trabalho. Luta de verdade, contra principalmente um mundo machista, e por necessidade e com a cobrança de suceder. Agora vejo muitas das minha amigas sendo mães aos quase 40, ou já passados eles, e escolhendo viver para o lar. Por pura opção na verdade. Por qualidade de vida dos seus filhos. Claro que nem todas têm essa opção, que exige uma certa estabilidade principalmente financeira.
    Agora, aos quarenta, aprendem a cozinhar, trocamos receitas, dicas de limpeza, cosméticos, até galinhas minhas amigas modernas que nasceram na capitam estão criando. Tudo pelo orgânico, caseiro, natural, saúde e qualidade de vida.
    Não é curioso?! Será que existe um certo e errado? Há muito julgamento àquelas fazem essa opção.

  3. wanda ikier da silva

    Olá Déa, que delicia ler seus textos sempre… acredito que este isolamento vai nos trazer muitos ensinamento e vai nos dar a oportunidade de ser pessoas melhores e mais consciente dos nossos deveres e desejos.
    Acredito que o Coronavírus chegou para nos alertar que precisamos desacelerar e olhar para nós e para todos e tenho certeza que se fizermos tudo que precisamos fazer sairemos desta fase que chegou intimando todos ( Pare agora) e tivemos que obedecer para o nosso bem e de todos.
    Você pode acrescentar na sua lista que quando vc escreve nos fortalece e nos da a esperança sempre que dias melhores estão chegando. bjs e obrigado sempre.

Deixe uma resposta para Rachel Mattos Cancelar resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos marcados com asterisco são obrigatórios. *

*

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.