“Há 8 anos vivo enfurnada e há sempre coisas boas para fazer”

Aos 72 anos, Rita Lee leva uma vida tranquila, isolada do mundo. Foto: Reprodução

Muito bom ler o relato de Rita Lee sobre a vida isolada que leva com o marido, em um sítio nos arredores de São Paulo, desde que abandonou os palcos. Aos 72 anos, a roqueira mais famosa do país, também compositora e escritora, escolheu um lugar afastado, perto da natureza, para viver essa nova etapa de sua existência. Rodeada de plantas e de animais, pelos quais tem veneração, Rita canta, compõe e escreve.

“Nada melhor do que ter a companhia de bichos, que oferecem serenidade e alegria”, receita ela nesse depoimento perfeito para os tempos desnorteadores que vivemos. Com a autoridade de quem vive “enfurnada há oito anos”, ela garante que, no isolamento, há sempre “coisas interessantes para se fazer.”

O depoimento foi dado a Ana Cláudia Guimarães, de O Globo.

Leia:

Eu, que pago para não sair de casa, que só saio da toca em caso de emergência, tenho algumas dicas para você se distrair enquanto estiver em isolamento forçado. Há 8 anos vivo enfurnada e há sempre coisas interessantes para fazer.

“Nada melhor do que ter a companhia de bichos, que oferecem serenidade e alegria: cuidar e brincar com animais faz o tempo passar de maneira mais divertida. Arranjar uma mudinha de planta e acompanhar o crescimento dela é emocionante. Aproveite e plante em vasinhos: cebolinha, salsinha, tomates-cereja… até alface. Descole uma orquídea, ainda com brotinhos, para acompanhar o desabrochar, lindamente, dia a dia.”

“Espalho telas e tintas sobre uma mesa e me arrisco a pintar alguma coisa, mexer com cores dá uma alegria na cabeça enquanto escuto músicas que me fazem feliz. Tenho feito tricô, fabrico mantas para os bichos usarem quando o inverno chegar. Escrevi uma letra vudu sobre o coronavírus e fiz uma música punk para combinar com a noia que acontece: chama-se ‘Vírus do horror’.”

Leia também: Rita Lee chega aos 70 vivendo um momento “bicho grilo total”

“Faço minhas unhas e pinto de várias cores. Pratico feldenkrais por skype para meu corpo não enferrujar. Assisto séries diversas e filmes antigos na TV. Outro dia matei a saudade de um clássico dos anos 1950, ‘O dia em que a Terra parou’, bem no clima de hoje. E, é claro, sempre rola um filme de James Dean no salão.”

“Escolhi passar apenas 3 horas por dia acompanhando as notícias do coronavírus, mais do que isso fico deprê. Depois, acendo velas e incensos na frente do meu altarzinho com todo tipo de divindades. Peço, em especial, para Nossa Senhora Aparecida proteger o Brasil com seu manto milagroso.”

“Ando fuçando minha biblioteca, escolhendo livros que já li e esqueci. Arrumo gavetas, jogo fora um monte de traquitanas inúteis que acumulei ao longo dos anos. Fico namorando e limpando minha coleção de cristais phantom e meus pesos de papel. Lavo as mãos duzentas vezes por dia cantando ‘Parabéns a você’ e estou viciada em passar álcool gel, hábitos modernos.”

Leia também: Rita Lee sou eu, com meus cabelos brancos, minhas rugas…

“Tenho a sorte de morar numa casinha no meio do mato com meu namorado e passeamos pelo jardim conversando com as plantas. Acabei de escrever um livro e não consigo defini-lo: se é um diário, citações esquisitas, autoajuda a mim mesma ou nonsenses da minha cabeça.”

“Pego o violão e noto que esqueci como tocar a maioria das minhas músicas. O que me deixa mais triste é não poder receber visitas dos meus filhos e netos, mas nada que um facetime não resolva provisoriamente.”

“Minha impressão é a de que nesse confinamento forçado que a humanidade está sendo obrigada a passar há um propósito Divino. Um teste para que aqueles que sobreviverem a essa guerra invisível se conscientizem de que o planeta Terra está realmente sendo destruído pelos donos do poder de cada país. E que se não modificarem radicalmente seus comportamentos em todas as áreas, aí, sim, será a Terceira Guerra derradeira. Saúde física, mental, psicológica e espiritual para todos!”.”

Leia também: Medo do novo coronavírus entre os mais velhos tem fundamento

Compartilhe!

Um comentário

  1. Lovely Rita! Incrível, parece que foi ontem e foi, lá Atrás do Porto, Mamãe Natureza, me dá sobremesa! E agora você, única como sempre e para sempre, não está nessa foto com a mão sob o queixo querendo ser outra, estar noutra, nessa estrada, entrada ou bandeira, no meio do mato com seus frutos proibidos, amém.

Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos marcados com asterisco são obrigatórios. *

*

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.