Dráuzio Varella: Labirintite se manifesta depois dos 40,50 anos

Fatores de risco da doença: hipoglicemia, diabetes, hipertensão, otites, uso de álcool, fumo, café

Fatores de risco: hipoglicemia, diabetes, hipertensão, otites, uso de álcool, fumo, café


Quando decido publicar aqui artigos sobre saúde, dou sempre preferência aos escritos pelo Dr. Dráuzio Varella, para ter certeza que tudo o que está sendo dito é o correto. No caso da labirintite, que afeta principalmente pessoas na meia idade, é causada por uma disfunção do labirinto, órgão responsável pelo equilíbrio do corpo e que fica dentro do ouvido. Os sintomas mais comuns são tontura, enjoo, zumbido na cabeça, cansaço físico e mental, desequilíbrio e até surdez. Segundo Dr. Dráuzio, “Uma vez estabelecida a causa e estabelecido o tratamento adequado, a tendência é a doença desaparecer.”

Leia o artigo:

Labirintite é um termo impróprio, mas comumente usado, para designar uma afecção que pode comprometer tanto o equilíbrio quanto a audição, porque afeta o labirinto, estrutura do ouvido interno constituída pela cóclea (responsável pela audição) e pelo vestíbulo (responsável pelo equilíbrio).

Processos inflamatórios, infecciosos e tumorais, doenças neurológicas, compressões mecânicas e alterações genéticas podem provocar crises de labirintopatias e vestibulopatias, entre elas a labirintite.

A labirintite se manifesta, em geral, depois dos 40, 50 anos, decorrente de alterações metabólicas e vestibulares. Níveis aumentados de colesterol, triglicérides e ácido úrico podem acarretar alterações dentro das artérias, que reduzem a quantidade de sangue circulando nas áreas do cérebro e do labirinto.

São considerados fatores de risco para a labirintite: hipoglicemia, diabetes, hipertensão, otites, uso de álcool, fumo, café e de certos medicamentos, entre eles, alguns antibióticos, anti-inflamatórios, estresse e ansiedade.

Sintomas

Tonturas e vertigens associadas ou não a náuseas, vômitos, sudorese, alterações gastrintestinais, perda de audição, desequilíbrio, zumbidos, audição diminuída são os sintomas característicos da labirintite.

Na vertigem rotatória clássica, a sensação é que o ambiente gira ao redor do corpo, ou que este roda em relação ao ambiente. Na tontura, a sensação é de desequilíbrio, instabilidade, de pisar no vazio, de queda.

A fase aguda da doença pode durar de minutos ou horas a dias conforme a intensidade da crise.

Diagnóstico

Avaliação clínica e o exame otoneurológico completo são muito importantes para estabelecer o diagnóstico da labirintite, especialmente o diagnóstico diferencial, haja vista que as seguintes enfermidades podem provocar sintomas bastante parecidos: hipoglicemia, diabetes, hipertensão, reumatismo, doença de Mèniére, esclerose múltipla, tumores no nervo auditivo, no cerebelo e em áreas do tronco cerebral, drogas ototóxicas, doenças imunológicas e a cinetose, também chamada de doença do movimento que não tem ligação com as doenças vestibulares ou do labirinto.

A tomografia computadorizada e a ressonância magnética, assim como os testes labirínticos, podem ser úteis para fins diagnósticos. Clique aqui para saber como tratar a labirintite.

Compartilhe!

Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos marcados com asterisco são obrigatórios. *

*

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.