Livro reúne 383 espécies de plantas que curam

O livro com a seleção das plantas medicinais

O livro com a seleção de quase 400 plantas medicinais

Com 1.200 páginas, o livro digital é uma preciosidade, pois relaciona todas estas plantas, com seus poderes medicinais, a dosagem, o modo de preparo e ainda traz imagens de cada uma das espécies descritas para auxiliar na identificação do exemplar.

Leia a reportagem de Paula Takahashi para o portal Uai:

Quem poderia imaginar que Minas Gerais abriga, pelo menos, 383 espécies de plantas medicinais? A farmacêutica Telma Sueli Mesquita Grandi decidiu reunir cada uma delas no livro digital ‘Tratado das plantas medicinais mineiras’ e presta um grande serviço para os adeptos dessa alternativa milenar de tratamento de doenças.

Além da descrição minuciosa dos exemplares nativos ou cultivados no estado, o livro traz informações detalhadas sobre aplicação, toxicidade, a melhor forma de preparo, a possibilidade de ser incompatível com alguns medicamentos, os nomes populares e até contraindicações. “Aponto inclusive a parte que pode ser usada, já que, em muitos casos, não é a planta toda que contém as propriedades desejadas, mas apenas a folha ou a semente, por exemplo”, acrescenta a autora.

A farmacêutica Telma Grandi é a autora da elogiada obra

A farmacêutica Telma Grandi é a autora da elogiada obra

Outra orientação importante é quanto à forma de preparo, muitas vezes equivocada. “As pessoas acham que tudo é preparado do mesmo jeito, mas não é. Se a parte medicinal está na essência, por exemplo, ao se cozinhar perde-se essa essência e, consequentemente, os benefícios”, explica Telma.

Para tirar o maior proveito de cada uma das espécies, o tratado consolidado pela farmacêutica orienta sobre os casos em que se deve usar a infusão, cocção e até se é para uso externo ou ingestão. “No caso do infuso, por exemplo, deve-se jogar água fervente sobre a planta, enquanto no decocto a planta é colocada na água fria e levada à fervura até o cozimento”, descreve a especialista, mostrando que há diferenças para extrair o melhor de cada variedade. Detalhes sobre as formas de preparo estão disponíveis para os leitores.

A obra também tem a intenção de desmistificar a máxima de que, por serem medicinais, essas plantas podem ser consumidas à vontade. “As pessoas acham que elas não são tóxicas e muitas delas são venenosas sim. A diferença entre o medicamento e o veneno muitas vezes está na dosagem”, alerta a especialista, que partiu da experiência de quase 40 anos na área para consolidar o trabalho. Com 1,2 mil páginas, o livro digital ainda traz imagens de cada uma das espécies descritas para auxiliar na identificação do exemplar. Clique aqui para ler mais.

0 Compart.

6 comentários

  1. Maria Lucilia Riecken

    Parabéns! Muito sucesso.

  2. Maria Lucilia Riecken

    Como faço para me inscrever e ter acesso ao conteúdo?

  3. Parabéns para a autora, por sua dedicação, humildade, profissionalismo em passar a diante anos de conhecimentos e experiências. parabéns pela matéria. Excelente poder ter uma obra como essa ao alcance.
    Abraços!

  4. Quanta generosidade!!!!

  5. Este livro foi desenhado a mão pelo artista plástico Marcelo Viana, Luziense. Hoje um dos melhores tatuadores do país
    Sua capacidade artística e sensibilidade para desenhar e representar no papel ou na pele das pessoas o que tem de mais bonito e real.A réplica da imagem de Santa Luzia foi confecção deste artista e hoje sei nas procissões do dia 13 de dezembro. Com seu manto pintado com perfeição e preservando a Santa original .. Somos Santa Luzia!

Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos marcados com asterisco são obrigatórios. *

*

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.