Magnésio: vital após os 50, mas 70% das pessoas têm carência

O mineral ajuda na produção de energia. Sua carência causa fraqueza, cãibras , batimentos cardíacos irregulares, falta de concentração, enjoos, falta de apetite, confusão mental

Já postei aqui no 50emais matéria mostrando a importância do magnésio para a saúde, sobretudo de pessoas que passaram dos 50. É indicado para prevenção de doenças comuns ao envelhecimento. Neste artigo, de Silvia Ruiz, do blog Ageless (palavra inglesa que significa atemporal), publicado pelo Uol, estão listados todos os muitos benefícios de se manter o corpo com a taxa certa de magnésio. A autora do artigo chama a atenção para o fato de, segundo estudo, 70% das pessoas não ingerirem a quantidade necessária de magnésio. A consequência dessa carência? Uma série de doenças.

Leia:

Você tem experimentado fraqueza, cãibras frequentes, batimentos cardíacos irregulares, falta de concentração, enjoos, falta de apetite, confusão mental e/ou fadiga muscular sem causa aparente? Pode estar faltando magnésio no seu corpo. Magnésio é um mineral e eletrólito essencial que tem um papel importante em vários processos no nosso corpo, incluindo a produção de energia, saúde cardiovascular, funções dos nervos e músculos, estrutura óssea, funções cerebrais e digestivas.

A carência de magnésio (obtido dos alimentos da nossa dieta) é um problema de saúde mais comum do que se imagina. Estudos apontam que cerca de 70% das pessoas não ingerem a quantidade diária necessária. E um grupo menor pode ainda experimentar uma forma mais severa (cerca de 2%) em que os sintomas ficam mais acentuados.

Para piorar, quando a gente fica mais velho, a absorção do que ingerimos de magnésio fica reduzida, por isso é preciso dar uma atenção extra ao que estamos consumindo e, em alguns casos, fazer uso de suplementação.

Leia também: Chegou aos 50? Procure saber tudo sobre o cloreto de magnésio

Segundo o nutricionista clínico Lázaro Medeiros, especialista em genômica nutricional, outros problemas do nosso estilo de vida moderno, como excesso de estresse e de consumo de alimentos ultraprocessados também fazem o corpo ter mais dificuldade para absorver o magnésio.

A falta do mineral está associada com uma série de doenças como osteoporose, aumento de risco para depressão e diabetes. Ela atua nas funções cerebrais e digestivas e saúde óssea. Por isso vale prestar atenção se sua ingestão diária está suficiente. Um exame de sangue pode detectar o problema se a deficiência for significativa, por isso fale com seu médico se estiver tendo esses sintomas.

“Hoje também avaliamos se o paciente está dentro da normalidade, mas com parâmetros mais baixos no exame, se a suplementação se faz necessária quando o estilo de vida ou histórico do paciente indicam que ela pode ser benéfica”, diz Lázaro.

Leia também: Alimentos excelentes para melhor a sua vida amorosa

Ele alerta que a suplementação deve ser acompanhada por profissional de saúde, pois o consumo em excesso poda causar males e riscos para a saúde como enrijecimento de veias e artérias, diarreia e problemas gástricos. I

Inclua mais magnésio na dieta – Ingerir a quantidade ideal do mineral é fundamental. Por isso inclua alimentos ricos em magnésio como castanhas, grãos integrais e feijão. Inclua amêndoas, sementes de abóbora, chocolate amargo e amendoim na sua rotina. Até pipoca tem boas quantidades do mineral.

Suplementação – Nem sempre todo mundo consegue obter a quantidade ideal de magnésio somente com a dieta, principalmente quando ficamos mais velhos, por a absorção diminui. Por isso é importante avaliar com um medico a possibilidade de suplementação. Para se ter uma ideia, 28 gramas de amêndoas oferece 18% da quantidade diária recomendada (mulheres com mais de 30 anos precisam de 320 mg do mineral e homens, 420 mg). Existem formas diferentes de magnésio para diferentes funções:

Magnésio malato: normalmente tomado pela manhã, ajuda as células na produção de energia e também reduz a tensão muscular.

Leia também: Os 10 mandamentos para quem quer viver mais e melhor

Magnésio L treonato: atua no sistema nervoso e nas funções cerebrais, colabora com a memória e ajuda no bom funcionamento das células cerebrais. Essa forma vem ganhando atenção de estudos por sua proteção ao envelhecimento cerebral.

Magnesio citrato: tem um papel importante no relaxamento, propriedades para relaxar a mente e os músculos e ajuda a reduzir cãibras. Também colabora na saúde das veias e artérias.

Magnesio inositol: O magnésio associado ao inositol, membro da família do complexo B, ajuda a preservar a saúde cerebral e o impulso nervoso. Também é muito utilizado para melhora de dores musculares, tensões e no relaxamento no fim do dia.

Leia também: Elas cinco envelheceram cuidando da saúde de formas diferentes

1K Compart.

Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos marcados com asterisco são obrigatórios. *

*

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.