Mirian Goldenberg: Por que o borogodó de Brigitte incomoda tanto

Brigitte Macron, 64, é 25 anos mais velha do que o marido, presidente da França

Mais um artigo falando de Brigitte, a mulher do Presidente da França, Emmanel Macron. Ela não sai do noticiário há semanas, desde que Brasil e França começaram a se desentender por causa do meio ambiente e políticos brasileiros fizeram comentários desairosos sobre a primeira-dama. Brigitte é 25 anos mais velha do que o marido e esse é o motivo fazerem tanta chacota. Mas, neste artigo da antropóloga Mirian Goldenberg, a francesa, de 64 anos, é mostrada sob um outro ângulo: o da mulher mais velha inteligente e livre, que serve de exemplo para outras mulheres.

Ao contrário do que muita gente pensa, há tantos homens que se acertam numa relação com mulheres mais velhas, porque, como explica a antropóloga, o que esses homens valorizam num relacionamento pra valer é companheirismo, maturidade, cuidado, compreensão, bom humor, segurança e autoconfiança. E isso só as que passaram de uma certa idade podem oferecer.

Leia o artigo:

A primeira-dama da França liberta outras mulheres que querem envelhecer com mais liberdade

O corpo, no Brasil, é considerado um verdadeiro capital, especialmente para as mulheres. O corpo capital é um corpo jovem, belo, magro e sensual.

Mostrei no livro “Por que os homens preferem as mulheres mais velhas?”, pesquisando 50 casais em que os homens são pelo menos dez anos mais jovens do que suas parceiras, que os capitais mais importantes nesses relacionamentos não são nem juventude nem corpo, muito pelo contrário.

O que os homens valorizam em suas relações, que são bastantes felizes e satisfatórias, são companheirismo, maturidade, cuidado, compreensão, bom humor, segurança e autoconfiança. E eles dizem mais: essas características eles só encontraram nas mulheres mais velhas com quem se casaram.

Leia também: Brigitte, mulher de Macron, tem 25 anos a mais do que ele

Nesses 50 casos, a juventude não é considerada um valor, uma vez que as mulheres mais jovens com que eles se relacionaram foram consideradas pegajosas, inseguras, controladoras, competitivas e infantis.

É interessante destacar que, para esses homens, as mulheres mais velhas são muito mais atraentes por terem capitais que as jovens não têm, como elegância, charme e o que eles chamam de borogodó. As mais jovens podem ter um corpo bonito, mas não têm borogodó.

Mas o que seria borogodó? É uma espécie de carisma, de atração, de ímã que essas mulheres mais velhas têm e que seduz as pessoas.

Os casos recentes de homens que xingam mulheres mais velhas de feias são típicos de uma mentalidade preconceituosa que associa o envelhecimento feminino à feiura.

Leia também: Brasileiros, famosos e anônimos, pedem desculpas a Brigitte

É importante ressaltar que esses preconceitos e acusações com relação ao envelhecimento feminino não vêm só de homens. Muitas vezes as próprias mulheres são cruéis com as outras mulheres que envelhecem.

É só lembrar o caso da atriz Betty Faria, que foi acusada por mulheres de ser uma velha ridícula por ir à praia de biquíni aos 72 anos

Nosso país está se tornando velho muito rapidamente. No entanto, os discursos, comportamentos e valores ainda revelam a crença de que ser jovem é igual a ser bonito.

A geração que está hoje com mais de 60 anos é a mesma geração que fez a revolução comportamental dos anos 1960, que mudou tudo o que se pensava a respeito de casamento, de amor, de sexualidade, de corpo e que está inventando uma nova forma de envelhecer.

Só que, como os valores resistem às mudanças, muitas pessoas continuam enxergando feiura e não beleza na velhice.

O que é mais belo e atraente em Brigitte Macron é o fato de ser uma mulher independente, inteligente, confiante, madura, segura, autêntica, espontânea.

Ela não mudou seu estilo e sua personalidade porque fez 66 anos ou porque se tornou avó. Ela continua sendo ela mesma. E é isso o que querem as mulheres de mais de 60 anos que pesquiso. Elas dizem: “É o melhor momento de toda a minha vida, nunca fui tão livre, nunca fui tão feliz. É a primeira vez que posso ser eu mesma”.

Brigitte é admirável, diria até invejável, porque nunca deixou de ser ela mesma. A sua beleza, charme, elegância vêm do fato de não ter mudado por ter envelhecido ou por ter casado com um homem 25 anos mais novo.

Ela segue com suas saias curtas, seus jeans justinhos e camisetas. Ela é considerada, sim, por muitos homens e mulheres, charmosa e interessante.

Leia também: Por que a primeira dama da França vem sofrendo tanto bullying

Ela tem muito mais borogodó do que mulheres mais jovens que vivem para agradar e se exibir para os outros.

Em minha pesquisa, peço um exemplo de um “belo envelhecimento”, e a atriz Fernanda Montenegro aparece em primeiro lugar. Quando pergunto o porquê, as respostas são sempre no sentido de dizer que ela é autêntica, digna, elegante, madura, segura, verdadeira.

Quando peço um exemplo de homem que tenha envelhecido bem, em primeiro lugar aparece Silvio Santos, mas por motivos bem diferentes: ele tem sucesso, prestígio, dinheiro, poder.

Quando pergunto sobre uma mulher que tenha envelhecido mal aparecem atrizes ou apresentadoras de TV que namoram garotões, que usam minissaia e decote, e que, segundo os pesquisados, não sabem se comportar de acordo com a idade. Aparecem também cantoras e atrizes que fizeram muitas cirurgias plásticas e, segundo eles, transformaram-se em “monstros”.

Quando a pergunta é sobre o homem que envelheceu mal, eles não citam ninguém.

Na nossa cultura, as mulheres mais velhas são muito mais julgadas e condenadas pelos seus comportamentos e por suas aparências. O que foge do padrão é condenado por homens e mulheres.

Leia também: Como ganhar massa muscular depois dos 50 anos

Então, quando dizem que uma mulher que envelhece é feia, simbolicamente está se falando muito mais do que da aparência física, está se fazendo um julgamento moral sobre seu comportamento, sobre suas vestimentas, sobre o fato de escolherem se relacionar com homens mais jovens.

Brigitte se tornou um símbolo de liberdade das mulheres de várias partes do mundo por ter tido a coragem de ser ela mesma. Isso é o que muitos acham ser a verdadeira beleza ou o tal do borogodó.

Quando uma mulher é livre para ser ela mesma, em todas as fases da vida, não só quando envelhece, ela está questionando todos os padrões que aprisionam as mulheres de todas as idades.

Mas, ao mesmo tempo em que ela está incomodando, e muito, ela está libertando outras mulheres que querem envelhecer com mais liberdade, mais felicidade e mais autenticidade, sendo elas mesmas.

Leia tambémBrigite Bardot: Aceito o que o tempo e a natureza me impõem

Compartilhe!

Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos marcados com asterisco são obrigatórios. *

*

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.