Mulheres mais velhas caem em golpe em sites de namoro

Elas são os alvos ideais de criminosos por dispor de poupanças acumuladas ao longo da vida e ter casas próprias

Elas são os alvos ideais de criminosos por dispor de poupanças acumuladas ao longo da vida e ter casas próprias

Quando li este artigo da Folha de São Paulo, traduzido do New York Times, eu me lembrei do caso que uma amiga me contou. A vizinha da mãe dela, uma senhora de mais de 70 anos, que morava sozinha, arranjou um namorado pela internet. Ficaram namorando por um bom tempo, até que ele, alegando problemas em uma empresa de sua propriedade, começou a pedir dinheiro. Ela abria a bolsa e dava tudo que ele pedia. Foi tanto dinheiro que, um dia, ele desapareceu. Só depois do sumiço, ela caiu em si. Percebeu que todos aqueles meses de enlevo eram parte de uma farsa somente para arrancar dinheiro dela. Amargurou-se. Caiu em depressão e, alguns meses mais tarde, morreu. Histórias desse tipo se repetem a toda hora. Percebendo a fragilidade, principalmente emocional, dessas mulheres mais velhas, os golpistas não perdem tempo. E estão agindo cada vez com mais frequência, como mostra este artigo.

Leia:

No começo, a atenção constante parecia doce e muito especial. Janet Cook, secretária de uma igreja na Virgínia (EUA), era viúva havia uma década quando começou a usar um site de namoro e rapidamente se viu mergulhada em e-mails, telefonemas e planos para uma visita.

“Não sou estúpida, mas fui totalmente ingênua”, diz Cook, 76, que se viu conquistada pelas atenções de um homem que dizia se chamar Kelvin Wells e se descrevia como um empresário alemão de meia-idade em busca de uma pessoa “confiante” para acompanhá-lo em viagens.

Mas em breve ele começou a descrever vários problemas, entre os quais uma internação hospitalar em Gana, para onde teria viajado a negócios, e a pedir que Cook o socorresse. No total, ela enviou quase US$ 300 mil ao homem, que aparentemente seguiu um roteiro bem desenvolvido que criminosos empregam para obter dinheiro de membros desses sites.

Muitos dos alvos são mulheres, especialmente na casa dos 50 e 60 anos, muitas vezes aposentadas e vivendo sozinhas. Não se sabe ao certo o número de pessoas vitimadas por fraudes em romances on-line, mas quase 6.000 pessoas apresentaram queixas quanto a fraudes de exploração como essas no segundo semestre do ano passado, relatando prejuízos de US$ 82,3 milhões, de acordo com o Centro de Queixas sobre Crimes de Internet, uma agência federal dos EUA.

Pessoas mais velhas são alvos ideais porque muitas vezes dispõem de poupanças acumuladas ao longo da vida, são donas de suas casas e são suscetíveis a ser enganadas por alguém determinado a fraudá-las. A maioria das vítimas fica envergonhada em admitir o ocorrido, por medo de serem ridicularizadas por familiares e amigos.

Leia também: Um caso de amor na internet que serve de alerta

“É imperativo, para alguém que pensa ter sido trapaceado, agir rapidamente e notificar seu banco e as autoridades”, afirmou David Farquhar, da seção de crimes financeiros do FBI. (Fonte: Folha de São Paulo do New York Times -Tradução de Paulo Migliacci).

Compartilhe!

Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos marcados com asterisco são obrigatórios. *

*

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.