Por que cresce o número de mulheres acima de 60 anos com HIV

Entre 2005 e 2015, a participação das mulheres acima de 60 anos entre as pacientes diagnosticadas com HIV aumentou de 2,9% para 6,4%

Entre 2005 e 2015, a participação das mulheres acima de 60 anos entre as pacientes diagnosticadas com HIV aumentou de 2,9% para 6,4%

Maya Santana,50emais

Este é um artigo que toda mulher nessa faixa etária deveria ler. Com a proliferação dos sites de namoro para pessoas maduras, a crença que depois da menopausa, por não engravidar mais, pode se relacionar sexualmente com um parceiro que não usa camisinha, e os remédios que hoje ajudam o homem mais velho a ter um melhor desempenho sexual, muitas mulheres, já na última fase da vida, estão contraindo o vírus HIV da Aids. A propagação do HIV está diminuindo em praticamente todas as idades, com exceção entre mulheres que passaram dos 60 anos. Quando menos esperam estão contaminadas. Um drama terrível como você vai ver neste artigo de Fernanda Cunha para o site da BBC Brasil.

Leia:

A aposentada Luiza (nome fictício) tem 68 anos e sempre priorizou hábitos saudáveis. Alimentação balanceada, caminhadas e aulas de dança faziam parte da sua rotina diária. Até ano passado, ela se orgulhava de não tomar nenhum remédio, “nem para controlar níveis de colesterol, muito menos para diabetes”. Mas as coisas mudaram depois de um breve relacionamento, o primeiro em 15 anos de viuvez, durante o qual Luiza contraiu HIV.

Essa é uma história menos incomum do que parece. De acordo com dados do Ministério da Saúde, apesar de ter caído em quase todas as faixas etárias nos últimos dez anos, a taxa de detecção do vírus entre as mulheres apresentou um aumento de 24,8% no grupo com mais de 60 anos. Em 2005, essas mulheres representavam 2,9% do total de pacientes diagnosticadas com HIV. Em 2015, eram 6,4%.

Luiza conheceu Manoel, de 62 anos, em bailes e competições de dança para terceira idade. Também aposentado, ele tinha saído de um relacionamento muito longo quando os dois começaram a namorar. Mas a relação não engatou. Poucos meses depois do início, Luiza decidiu acabar o relacionamento. O porquê nem ela sabe.
“Talvez por não saber conviver com outra pessoa depois de tanto tempo sozinha. Ou talvez por não estar apaixonada.” Mas com certeza o fim não foi pela recusa sistemática de Manoel em usar preservativo.

“O jovem que nasceu depois dos anos 80 já iniciou a sua vida sexual sabendo da existência e da necessidade da camisinha. Mas a pessoa acima dos 60 anos teve sua iniciação sexual e grande parte da sua vida ativa sem o preservativo. Então, para eles é muito mais difícil de se acostumar”, analisa a psicóloga e gerente operacional do Departamento de DSTs/Aids da Paraíba, Ivoneide Lucena.

Viagra, aplicativos e menopausa
Os idosos hoje vivem uma vida muito mais ativa do que antes do surgimento da Aids. Por um lado, as drogas para disfunção erétil, como o Viagra, possibilitam uma vida sexual mais longa para o homem. Ao mesmo tempo, a mulher que já passou pela menopausa acredita que, por não correr riscos de uma gravidez indesejada, o uso da camisinha se torna desnecessário. Há ainda a popularização dos aplicativos de namoro, permitindo que pessoas se conheçam e se relacionem com mais facilidade.

A tudo isso, soma-se o fato de parte da população ainda acreditar que só são suscetíveis ao vírus aqueles que no passado eram conhecidos como “grupo de risco”, ou seja, homossexuais, profissionais do sexo e viciados em drogas.

Pensando assim, muita gente se expõe ao contágio, aumentando cada vez mais o número de heterossexuais soropositivos, por exemplo. Clique aqui para ler mais. Antes, veja o vídeo:

Compartilhe!

Um comentário

Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos marcados com asterisco são obrigatórios. *

*

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.