Pessoas que já passaram dos 60, mas se sentem bem mais jovens

Muitas pessoas chegam aos 60 anos com sensação de mais liberdade e entusiasmo. Foto: un-perfekt/Pixabay

Maya Santana, 50emais

Uma pesquisa realizada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística comprova o que a gente está vendo – ou vivendo – na prática. Segundo o estudo, a longevidade com melhor qualidade de vida tem feito com que as pessoas se sintam com maior autonomia e manifestem o desejo de ter novas experiências. O conceito de velhice está sendo revisto. Independentemente desse estudo, eu posso falar por mim. Acabo de completar 68 anos e nunca me senti tão inteira como agora. Faço os meus exercícios físicos diariamente, pela manhã, e passo o dia trabalhando com muita disposição. No caso da pesquisa do IBGE, ela identificou, pelo menos, quatro perfis no grupo estudado: os indiferentes (51,1%), que consideram os 60 anos uma idade como outra qualquer; os livres (30,8%), que se sentem à vontade para fazer e falar o que quiserem; os entusiastas (5,1%), para os quais a transição é o início de um novo ciclo cheio de expectativas; e os resistentes (13%), que reconhecem a idade cronológica, mas têm dificuldades para aceitá-la e são saudosistas ao lembrar da juventude. Poucos associam a fase a perdas e declínios (4,9%) ou ao final da vida (4,1%).

Leia a reportagem de Ludimila Honorato para o Estadão:

Esqueça todas as características que você associa a pessoas idosas. Esqueça, inclusive, a palavra ‘idoso’. Segundo uma pesquisa nacional sobre o perfil da população com mais de 60 anos de idade, o envelhecimento foi ressignificado. Nesse grupo, 73,2% sentem que são mais jovens do que a idade real. Porém, há quem encare a fase com dificuldade, além dos estereótipos e preconceitos sociais.

Um dos fatores para essa percepção mais positiva de si seria a própria longevidade. Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a expectativa de vida do brasileiro em 2017 era de 76 anos, sendo 72,5 para os homens e 79,6 para as mulheres. Entre 1940 e 2016, houve um aumento de mais de 30 anos na longevidade do brasileiro.

“Uma vez que você chega aos 60 anos e consegue manter suas atividades, você passa a renovar a ideia de envelhecimento. E isso só é possível porque eles não estão só chegando aos 60, 80 anos, mas estão chegando com mais qualidade de vida também”, diz Luciana Mutti de Morais, coordenadora da pesquisa O Brasil 60+, realizada pela Vitamina Pesquisa, SeniorLab e Anging2.0.

Os resultados, aos quais o E+ teve acesso exclusivo antecipadamente, serão divulgados nesta terça-feira,11, na Unibes Cultural. A pesquisa entrevistou duas mil pessoas, de 60 a 75 anos de idade, pertencentes a todas as classes sociais e residentes em dez capitais brasileiras das cinco regiões do País. A maioria da amostra era do gênero feminino (51,7% ante 47,3% do masculino).

Para o geriatra João Senger, presidente da Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia do Rio Grande do Sul, o segredo da longevidade é resultado de uma melhor educação em saúde. “As pessoas estão mais preocupadas em melhorar a alimentação, com a questão da obesidade”, aponta. Luciana afirma que a longevidade maior das mulheres deve-se ao fato de elas se preocuparem mais com a saúde (exames preventivos são mais solicitados a elas).

O perfil dos 60+
A pesquisa identificou, pelo menos, quatro perfis no grupo estudado: os indiferentes (51,1%), que consideram os 60 anos uma idade como outra qualquer; os livres (30,8%), que se sentem à vontade para fazer e falar o que quiserem; os entusiastas (5,1%), para os quais a transição é o início de um novo ciclo cheio de expectativas; e os resistentes (13%), que reconhecem a idade cronológica, mas têm dificuldades para aceitá-la e são saudosistas ao lembrar da juventude. Poucos associam a fase a perdas e declínios (4,9%) ou ao final da vida (4,1%).

Cecília Buono Paschoal está a 14 dias de completar 60 anos, o que, segundo ela, “não vai mudar nada”. “O que muda é só o número, mas tudo o que faço vai continuar”, afirma. Ela é autônoma e deu continuidade ao trabalho do marido após o falecimento dele, mas diz que sempre foi ativa e buscou atividades artesanais para fazer.

“Eu não me sinto com 60 anos. A vida está tão dinâmica e a gente tem de seguir junto”, diz. Ela ajuda no cuidado do neto de dois anos e dos pais, que moram com ela temporariamente. Para o futuro, Cecília se espelha na mãe, que tem 84 anos e se mantém nas atividades rotineiras da casa.

Paddy Jones, na época com 79 anos, surpreende jurados do programa da televisão britânica Britain’s Got Talent:

Além de se sentir mais jovem, esse público diz ter boa disposição, um quarto deles não se sente sozinho e, no geral, a pesquisa indica que há um desejo de autonomia latente nessa etapa da vida. Martin Henkel, fundador da SeniorLab, aponta que as grandes revoluções comportamentais foram vividas pelo público-alvo do estudo.

“Na adolescência, eles viveram a efervescência do nascimento do rock in roll, principalmente com Elvis Presley que fazia filmes bem musicais. Isso acabou influenciando essa população que hoje tem 60, 70 anos”, analisa. Porém, ele observa que “marcas e empresas não estão conversando corretamente com esse público” por não compreenderem a mudança dos novos 60+.

Longevidade e sexualidade
“Eles tomam a pílula azul e se acham vigorosos até os 100 anos. Nisso a mulher ficou muito desprestigiada. Eles confundem ereção com ser bom de sexo. Ereção até crianças podem ter, mas satisfazer suas parceiras não é pra qualquer um”. Essa é a opinião de uma pessoa de São Paulo entrevistada pela pesquisa e reflete o tabu quando se fala em sexualidade e relacionamentos afetivos entre pessoas com mais de 60 anos.

Os dados sobre sexualidade na longevidade mostram que a quantidade de homens casados é o dobro da de mulheres e que eles tendem a se envolver em outro relacionamento mais depressa quando se separam ou ficam viúvos. Além disso, o número de mulheres separadas é o dobro do de homens, bem como a quantidade de mulheres solteiras.

Além de se sentir mais jovem, esse público diz ter boa disposição, um quarto deles não se sente sozinho e, no geral, a pesquisa indica que há um desejo de autonomia latente nessa etapa da vida. Martin Henkel, fundador da SeniorLab, aponta que as grandes revoluções comportamentais foram vividas pelo público-alvo do estudo.

“Na adolescência, eles viveram a efervescência do nascimento do rock in roll, principalmente com Elvis Presley que fazia filmes bem musicais. Isso acabou influenciando essa população que hoje tem 60, 70 anos”, analisa. Porém, ele observa que “marcas e empresas não estão conversando corretamente com esse público” por não compreenderem a mudança dos novos 60+.

Longevidade e sexualidade
“Eles tomam a pílula azul e se acham vigorosos até os 100 anos. Nisso a mulher ficou muito desprestigiada. Eles confundem ereção com ser bom de sexo. Ereção até crianças podem ter, mas satisfazer suas parceiras não é pra qualquer um”. Essa é a opinião de uma pessoa de São Paulo entrevistada pela pesquisa e reflete o tabu quando se fala em sexualidade e relacionamentos afetivos entre pessoas com mais de 60 anos.

Os dados sobre sexualidade na longevidade mostram que a quantidade de homens casados é o dobro da de mulheres e que eles tendem a se envolver em outro relacionamento mais depressa quando se separam ou ficam viúvos. Além disso, o número de mulheres separadas é o dobro do de homens, bem como a quantidade de mulheres solteiras.

“Isso é muito mais pesado para a mulher, tem a questão dos hormônios, da menopausa e tem a ver com a cultura. Ela, com o envelhecimento, perde vitalidade, mas o homem ganha o status de coroa, bonitão, com charme. Os homens ganham um artefato para reforçar a virilidade, a mulher, nada”, avalia Luciana.

Henkel mostra outro ângulo dessa questão. “À medida que os homens ficam mais velhos, solteiros ou viúvos, eles procuram alguém para cuidar deles, que vai dar segurança. Eles não sabiam comprar roupa, quem fazia isso era a companheira. Nesse momento, quem sofre mais com esse novo comportamento são eles. As mulheres chegam a mudar de vida quando ficam viúvas ou se separam”, diz. Clique aqui para ler mais.

Compartilhe!

4 comentários

  1. teresinha schulenburg

    OLA,,,,,,BOM DIA……………. EU AINDA TRABALHO COM 65 ANOS………. MARRRRAVILHA SINTO ME MUITOO BEM SAUDE MUITO BOA……………. FISICAMENTE TB, MENOPAUSA!!!? NAO ME MODIFICOU NAO , EM ALGUM ASPECTO, DE BEM C O SEXO………… VIVAAAAAAAAAAAAA

  2. Maria José Cadete Morais

    A velhice é obrigatória, chegar aos 60 é muito bom, cuidar da saúde, praticar esporte e ter amigos, isso fez a diferença para mim, escolhi praticar esporte radical aos 52, já conquistei o 5°o 7° e 8° CUME, 2 saltos de paraquedas duplo, fiz o maior rapel e mais bonito do na pedra da Gávea, rafting , parapente, meia maratonista, fiz trekking de 95 km no Monte Roraima, jogo frescobol nos finais de semana, amo sair da zona de conforto. Viver os momentos felizes é a minha prioridade.

  3. Fiquei impressionada com a Maria José Cadete Morais. Ela é das minhas. Mas infelizmente não sou privilegiada como ela, que vive numa cidade que proporciona uma vida mais intensa e gratificante, quanto o Rio de Janeiro.
    Tenho 65 anos, vivo em São Paulo, capital, e esta na minha opinião é uma cidade para trabalhar, estudar, vencer. Não estimula as amizades.
    Há uma dificuldade muito grande em se fazer amizades aqui, e as pessoas acabam ficando muito sozinhas. Independente de você ser uma pessoa ativa e que deseja companhia, há sempre impedimentos. Um não pode, porque não tem dinheiro, o outro porque tá cansado, e ainda outro tem compromisso e assim vai… E depois, os amigos são bem poucos quando descobrimos que não fizemos a manutenção deles, enquanto casados.
    Há 3 anos, fiquei viúva e meu único filho mora na Austrália, prá onde vou sozinha inclusive, de vez em quando, prá matar as saudades. Meu marido, após uma descoberta de linfoma do manto, passou a fazer quimioterapia e parei de trabalhar por razões óbvias.
    Tenho rodinha no pé, sou extremamente ativa, conectada, adoro dirigir e pegar uma estrada. Gostaria muito de encontrar grupos de atividades, como danças, viagens curtas ou longas, caminhadas, jogo de baralho, assistir um filme ou até mesmo tomar um café.
    É isso. Se alguém desejar contatar-me meu e-mail é soninhams@hotmail.com.

Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos marcados com asterisco são obrigatórios. *

*

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.