Preconceito contra mais velhos, sobretudo mulheres, está vivo

Beth Djalali, 59, faz sucesso com eu blog de moda At certain age

Maya Santana, 50emais

Foi só Madonna publicar no Instagran uma foto mostrando parte de seu corpo sexagenário nu para que começasse a polêmica. O que pode expor de seu corpo e o que não pode uma mulher de mais de 60? Há exatos cinco anos, a atriz Beth Faria, então com 71 anos, apareceu na praia do Leblon usando biquíni. Sofreu todo tipo de deboche e provocação nas redes sociais, “acusada” de estar velha demais para usar roupa de banho tão exígua. No caso de Madonna, a cantora está acostumada a uma polêmica. Mas o episódio mostra, mais uma vez, que há preconceito contra quem passou dos 60 e ousa, se exibe.

Leia o artigo de O Globo:

Madonna, aquela que já beijou um santo católico e ateou fogo em cruzes, que simulou masturbação no meio dos shows e que cantou o sadomasoquismo e o sexo sem pudores, recentemente causou polêmica de novo. Ao compartilhar uma foto em que estava nua, sem produção e sem retoques (havia apenas uma tarja cobrindo seus mamilos), a cantora de quase 60 anos recebeu uma chuva de críticas. Não que sua nudez fosse alguma novidade. De seios ao vento, ela encerrou o desfile do amigo Jean Paul Gaultier em 1992, por exemplo. O problema, segundo os que são contra, seria o fato de ela ser uma “senhora” que “deveria se dar ao respeito”, que aquilo era “patético” e “vergonhoso”. A reação gerou uma onda de debates sobre etarismo (ou gerofobia). Em outras palavras, o preconceito contra pessoas mais velhas, especialmente as mulheres.

A foto de Madonna , postada no Instagram, que causou toda polêmica

Para a cientista social e ativista do feminismo Mariana Varella, de 44 anos, a ideia de mulher no imaginário coletivo é sempre muito jovem. Ela lembra que, na ficção, personagens masculinos de 60 anos se envolvem com mulheres bem mais novas, de 20, 30, e isso não causa espanto.

— O contrário não é bem visto. Às mulheres, não é permitido viver a velhice — analisa. — A mulher mais velha não costuma ser representada como uma pessoa capaz de produzir intelectualmente, com vida sexual ativa, que se diverte.

As pessoas acham que a mulher envelhece e deixa de ser quem ela é, deixa de gostar do que ela gosta, observa Mariana:

Dorrie Jacobson, 82: Ainda consigo sustentar um par de calças justas de couro e salto agulh

— Madonna sempre foi provocadora e contestadora, achar que ela envelheceu e vai virar uma senhorinha é muita ingenuidade.

Nas redes sociais, o surgimento de influencers da terceira idade (ou à beira dela) vem chamando a atenção. É o caso de Beth Djalali, de 59 anos, a @styleatacertainage, Sarah-Jane Adams, de 62, a @saramaijewels, e Dorrie Jacobson, de 82, a @seniorstylebible.

— Eu posso estar nos meus 80 anos, mas ainda consigo sustentar um par de calças justas de couro e salto agulha — diz Dorrie.

Ex-coelhinha da “Playboy”, com 21,3 mil seguidores no Instagram, ela percebe que algo está mudando na sociedade, que as mulheres estão envelhecendo de uma maneira muito diferente da geração anterior:

— Não estamos sentadas numa cadeira tricotando sapatinhos para nossos netos. Estamos por aí gerenciando negócios, correndo maratonas, saindo com pessoas que conhecemos na internet, nos divertindo. Não vamos permitir que a sociedade faça com que nos sintamos invisíveis.

Sarah-Jane Adams, 62: Sugiro que as pessoas olhem para dentro e não para fora

Designer de joias inglesa radicada na Austrália, Sarah-Jane Adams acredita arrebanhar 163 mil seguidores em seu Instagram, no qual publica fotos diárias de seus looks extravagantes, justamente por sua “atitude”:

— Em qualquer idade, é muito mais importante entender sobre si mesmo e ser feliz do que se preocupar com o que os outros pensam ser apropriado sobre o seu comportamento. Sugiro que as pessoas olhem para dentro e não para fora, buscando aprovação. Minha idade não tem nada a ver com a minha atitude.

Escritora, casada há 34 anos, mãe de três filhos e dona de dois gatos e um cachorro, Beth não está nem aí para a turma que patrulha seu figurino. E faz sucesso no Instagram, com 45,4 mil seguidores que acompanham dia a dia seus looks.

— Mas alguns criticam quando minhas saias estão curtas, que “jeans justos, não”, que cabelo grisalho me envelhece — conta. — Há uma lista circulando que diz o que uma mulher da minha idade não deve fazer. Quem criou essas regras? Nunca recebi o memorando com todos esses certos e errados. Se tivesse recebido, teria rasgado e jogado fora.

0 Compart.

Um comentário

  1. Vania Aparecida Santos

    Olá tenho lutado contra o preconceito pois nas lojas as moças enchem a boca pra me chamar de senhora. Tenho 50 e não gosto de roupa de senhora sou magra e gosto de jeans e camiseta e ali star . Fica todo mundo me olhando como se fosse um Et. Tenho amigos até bem mais velhos que saem pra curti rock e nem esquentam. Espero que esse preconceito acabe ..
    Todo mundo tem direito de ser feliz . A pessoa não tem culpa se chegou primeiro no nosso planeta .. quem tem mais idade deveria ser mais valorizado e mais livre afinal que mal há em se fazer o que se gosta, namorar , dançar porque não né….

Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos marcados com asterisco são obrigatórios. *

*

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.