Sexualidade na 3ª idade: Meus orgasmos são melhores aos 80 anos

Essas três britânicas falaram com sinceridade sobre a sexualidade na terceira idade

Estas três britânica, com idade entre 61 e 82 anos, falaram com sinceridade sobre sexualidade nesta fase da vida

Maya Santana, 50emais

Sei que haverá quem fique chocado com as declarações destas três senhoras, entrevistadas por uma das rádios da BBC, em Londres, sobre sexualidade. Não é todo dia que a gente ouve mulheres que já passaram dos 60 anos falando de sexo e de orgasmos. Mas elas responderam com franqueza todas as perguntas. “Como são os orgasmos quando você é mais velho?” Quiz saber a entrevistadora. “Provavelmente melhor”, respondeu uma delas. “Eu também acho”, disse a outra. “Melhor aos 80 que aos 20 anos de idade?” A terceira reafirmou convicta: “Sim, acredito de verdade que é melhor”. E elas explicaram por que acreditam que o orgasmo depois de uma certa idade é satisfatório.

Leia alguns trechos da entrevista:

Joyce, Shirley e Dee são três britânicas de 82, 61, 69 anos, respectivamente. Ao programa Daily, da rádio BBC 5 Live, elas falaram sobre um tema que é um tabu quase universal: a sexualidade na terceira idade.

Uma enquete realizada pelo próprio programa no Reino Unido sugere que pessoas entre os 60 e 70 anos têm relações sexuais várias vezes por mês.

Além disso, segundo o levantamento, esse número se mantém alto quando as pessoas envelhecem: uma em cada seis pessoas de mais de 70 anos diz que faz sexo várias vezes ao mês.

A seguir, a BBC reuniu alguns dos momentos mais interessantes do programa.

Como são os orgasmos quando você é mais velho?
Essa foi uma das perguntas que a apresentadora do programa, Emma Barnett, fez às três britânicas. Elas se mostraram quase unânimes:

“Provavelmente melhor”, respondeu Shirley. “Eu também acho”, diz Dee. Melhor aos 80 que aos 20 anos de idade? Joyce respondeu, convicta: “Sim, acredito de verdade que é melhor”.
Para elas, uma das razões que explicam o prazer maior na terceira idade é o conhecimento do próprio corpo. Segundo Dee, com a velhice, ela passou a se preocupar menos com a opinião dos outros. “Eu já cresci, já cometi meus erros e já aprendi as lições. Você se sente mais confortável com a pessoa que é. Antes eu não tinha tanta confiança em mim mesma”, diz ela.

Com a idade, “você controla mais o que quer”, diz Shirley.

As três concordaram: o conhecimento do próprio corpo ajuda na busca pelo prazer e a ter confiança de dizer e “mostrar-se” ao parceiro. Além disso, elas dizem que hoje são menos estressadas e não têm preocupações com a gravidez.

Quais as diferenças com as relações sexuais de quando se foi mais jovem?
“Nós rimos muito. Há muito rangidos e gemidos, e também posições desconfortáveis. Mas nós tratamos com humor”, diz Joyce, que vive com seu marido, também octogenário. Ela conta que os dois chegaram a fazer sexo duas vezes por dia.
“Não tem mais aquela ansiedade de se fazer um show”, brinca ela. Segundo Joyce, os jovens enxergam o sexo como algo que gira em torno da beleza, do glamour, de barrigas definidas e pele perfeita. “Quando você fica mais velho, o que importa é o contato humano.”

As três concordam quando falam sobre prazer e sensibilidade. “A sensualidade não muda com a idade. A excitação e o prazer são os mesmos. É bom da mesma forma, talvez com os níveis de hormônios mais baixos”, diz Joyce. “Sem dúvida, a grande diferença é o tempo. Você tem mais tempo quando está aposentado”.

Shirley não tem um parceiro desde o ano 2000, mas diz ter uma vida plena e feliz. “Eu me masturbo”, afirma. Ela diz que não sente falta de um companheiro, porque não encontrou a pessoa certa.

“Posso dar prazer a mim mesma e não preciso fazer concessões”, diz. Ela conta que chama a atenção dos homens, mas que não está interessada em sexo rápido e selvagem, como quando era jovem. “Não estou interessada em soluções rápidas. Quero uma vida plena”, explica.

Como se sentiria ao ficar nua na frente de alguém pela primeira vez aos 70 anos?
“Talvez eu precise tomar um par de taças de vinho”, brinca Dee. Depois, no entanto, ela conta que disse a si mesma “Quer saber, Dee? Está tudo bem. Não é perfeito, você tem sua barriga e suas rugas, mas está tudo bem.”
Ela acrescenta: “E se a pessoa não pode ver o quanto sou boa, o problema é dela”.

Shirley aponta que as mulheres jovens têm muitas inseguranças sobre sua aparência. “Isso melhora com os anos”, diz.
Uma mensagem para as jovens: ‘o espírito segue com 18 anos’

“À medida que você envelhece, continua se sentindo jovem, muito jovem, isso não muda”, diz Joyce. “Quando você tem 80 é como se tivesse 18, só que com mais rugas e peças raras no corpo. Mas você ainda é a mesma pessoa.”

Ela dá uma dica sobre as rugas: “Eu diria às jovens que não se preocupem com as rugas. A atração está em como você é, no brilho dos olhos e na alegria de viver que você irradia. E isso dura até os 90”.
“Talvez depois dos 90 você fique um pouco debilitada”, afirma.

Shirley discorda: “Talvez não”. Sorrindo, Joyce agora muda de opinião: “É, talvez não”.

Compartilhe!

Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos marcados com asterisco são obrigatórios. *

*

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.