Arquivos de Tag: Elza Cataldo

O homem que colecionava árvores

Elza Cataldo, 50emais Ele sempre gostou de colecionar. Objetos. Ferramentas. Selos. Mas a paixão pelas árvores o afastou das outras coleções. Até mesmo da mulher. No pequeno apartamento onde moravam, nem a estreiteza da convivência aproximava os dois. Solidão em poucos metros quadrados. Ele buscou a companhia das árvores. A minúscula área de serviço foi suficiente para ele instalar um ... Leia Mais »

Intolerância religiosa: não superamos este triste capítulo

Elza Cataldo Como parte da pesquisa do filme/série do GNT “As Órfãs da Rainha”, realizei o documentário disponível abaixo. “A Santa Visitação” aborda a primeira visita do Santo Oficio ao Brasil, no final do século XVI. A Inquisição de Portugal, então sob a dominação espanhola, chegava assim à colônia brasileira. Em busca dos erros de fé, ampliava sua perseguição aos ... Leia Mais »

Sobre amor e intolerância

Elza Cataldo – Ás vezes me pergunto a razão de trabalhar durante anos, com dedicação e paciência, no projeto “As Órfãs da Rainha”. Escutando de captadores, possíveis patrocinadores e distribuidores, que no Brasil não tem mercado para obras audiovisuais destinadas a adultos exigentes, com requinte estético, gosto pelo conhecimento e atração pelo entretenimento de qualidade. (Salvo algumas interlocuções parceiras, que, ... Leia Mais »

Quer participar da oficina ‘Construindo Projetos Audiovisuais’?

Elza Cataldo – O Globo de Ouro 2016 fez justiça à excelente minissérie Wolf Hall. Os seis episódios acompanham a ascensão de Thomas Cromwell na corte da família Tudor até chegar ao posto de conselheiro de Henrique VIII. A bela atuação de Mark Rylance dá vida a Cromwell, captando o personagem de forma sutil e feroz. Ancorado no excelente roteiro ... Leia Mais »

Neste final de ano, sinto uma enorme saudade do meu irmão

Elza Cataldo Talvez seja a época natalina, talvez seja a proximidade de um ano novo. Ou, mais provavelmente, por inspiração de uma série televisiva sobre gastronomia. Verdade é que hoje sinto uma enorme saudade do meu irmão. Vendo aqueles homens criativos, obcecados, detalhistas, autoritários, delicados, ferozes, talentosos ou melhor: apaixonados; lamento que ele não tenha ficado mais entre nós. Acho ... Leia Mais »

Oficina do Sebrae vai preparar produtores e roteiristas

A oficina do Sebrae/MG “Construindo projetos audiovisuais”, coordenada por Elza Cataldo, em Belo Horizonte, abordará as etapas fundamentais da criação, desenvolvimento e comercialização de uma obra audiovisual, em seus múltiplos gêneros e formatos para TV, cinema e Internet. Da ideia da obra, passando pela concepção do roteiro à venda do projeto, a oficina visa preparar roteiristas e produtores para competirem ... Leia Mais »

Esvaziem os teatros. Apaguem as telas. Uma rainha morreu

Elza Cataldo* – Silêncio. Esvaziem todos os teatros. Apaguem todas as telas. De todos os tamanhos. Emudeçam os instrumentos para que ninguém possa dançar ou cantar hoje. Uma rainha morreu. Quem mais poderá encher nossa vida de elegância, dicção perfeita, gestos graciosos e olhar matreiro? Vai demorar anos, talvez um século para aparecer novamente alguém com o talento de Marília ... Leia Mais »

Elza Cataldo faz filme sobre a inquisição no Brasil

Maya Santana Assim que concluiu e lançou o longa metragem Vinho de Rosas, sobre a filha de Tiradentes, em Minas Gerais, no século 18, a cineasta Elza Cataldo, 59 anos, partiu para outro grande projeto: As Órfãs da Rainha, – filme, em fase de captação de recursos, que conta a saga de três mulheres enviadas pela rainha de Portugal para ... Leia Mais »

De Braços Dados

Elza Cataldo Foi uma decisão difícil. Seria bem recebida? O que as pessoas diriam? O que ele diria, se pudesse ainda dizer alguma coisa? Existiria algum fio de ligação entre ela e aquelas pessoas? Como não ver pela última vez um rosto que havia contemplado tanto? Aprovaria ele a sua presença? E sua mulher, suportaria sua presença? Foi com todas ... Leia Mais »

Kairós, por Elza Cataldo

Elza Cataldo Depois que ela morreu o relógio nunca mais tocou. As batidas precisas que enchiam de sonoridade a casa, ficaram em silêncio. Como tudo o que lhe pertencia, o relógio era meticulosamente acertado e nutrido. Sua corda durava uma eternidade, pois raramente ela era vista na lida horária. As horas seguiam na sua inevitabilidade. De certa forma, isso confortava. ... Leia Mais »