Arquivos de Tag: poema

O Caso do Vestido, Carlos Drummond de Andrade

Nossa mãe, o que é aquele vestido, naquele prego? Minhas filhas, é o vestido de uma dona que passou. Passou quando, nossa mãe? Era nossa conhecida? Minhas filhas, boca presa. Vosso pai evém chegando. Nossa mãe, dizei depressa que vestido é esse vestido. Minhas filhas, mas o corpo ficou frio e não o veste. O vestido, nesse prego, está morto, ... Leia Mais »

Para Sempre, Carlos Drummond de Andrade

Por que Deus permite que as mães vão-se embora? Mãe não tem limite, é tempo sem hora, luz que não apaga quando sopra o vento e chuva desaba, veludo escondido na pele enrugada, água pura, ar puro, puro pensamento. Morrer acontece com o que é breve e passa sem deixar vestígio. Mãe, na sua graça, é eternidade. Por que Deus ... Leia Mais »

Abujamra recita “O Tempo”, de Mário Quintana

O ator, diretor de teatro e apresentador Antônio Abujamra morreu na terça-feira, dia 28, na casa em que morava, em São Paulo – foi encontrado morto pelo filho. Ele tinha 82 anos. E deixa admiradores – me incluo entre eles – no Brasil inteiro. Veja que tocante sua declamação de “O Tempo”, poema de Mário Quintana. Leia Mais »

Saudades, Lisa Santana

Quando o meu pai morreu Apesar de não ser mais tão moça Me encolhi como uma menina Me cobri com o manto da Tristeza Do vazio E da dor A lembrança dele quando me vinha Me trazia A generosidade O amor A saudade Quando o meu irmão mais velho morreu Eu fiquei estupefata Achei a morte ingrata Por ter convidado ... Leia Mais »

Receita de Ano Novo, Carlos Drummond de Andrade

Para você ganhar belíssimo Ano Novo cor de arco-íris, ou da cor da sua paz, Ano Novo sem comparação como todo o tempo já vivido (mal vivido ou talvez sem sentido) para você ganhar um ano não apenas pintado de novo, remendado às carreiras, mas novo nas sementinhas do vir-a-ser, novo até no coração das coisas menos percebidas (a começar ... Leia Mais »

A Mulher Madura – Afonso Romano de Sant’Anna

50emais O rosto da mulher madura entrou na moldura de meus olhos. De repente, a surpreendo num banco olhando de soslaio, aguardando sua vez no balcão. Outras vezes ela passa por mim na rua entre os camelôs. Vezes outras a entrevejo no espelho de uma joalheria. A mulher madura, com seu rosto denso esculpido como o de uma atriz grega, ... Leia Mais »

Uma homenagem do 50emais a todos os poetas

Hoje, 20 de outubro, é o Dia do Poeta. De todos os dias do ano dedicados às profissões, este talvez seja o mais bonito. O que seria de nós sem os poetas? Para homenageá-los, um dos poemas que mais gosto no livro “Os Peixes do Meu Pano de Prato”, que Elisa Santana acaba de lançar. Ganhou o título de “Tempos ... Leia Mais »

“Professor, sois o sal da terra e a luz do mundo”

Hoje, 15 de outubro, é o Dia do Professor, a mais importante de todas as profissões. Em homenagem aos mestres que tive ao longo da vida e a todos os homens e mulheres que se dedicam a ensinar, publico este poema de Cora Coralina, ela própria uma educadora, no sentido mais amplo da palavra. Para você que ensina: Exaltação de ... Leia Mais »

Passarinhos!… (II)

Lisa Santana Que triste! Meu gato matou a alegria. E eu vi aquilo sem querer. Ao entrar na sala pela manhã Dei com meu gato Quieto em um canto Mas, em atitude suspeita. Ao me aproximar Deparei-me com um beija-flor Inerte entre as suas patas Quase morri de horror! Que dor! Um beija flor entrara por engano Em minha sala ... Leia Mais »