Apelo comovente para tirar o pai do desemprego

A autora do texto, Carol Furtado, com o pai, Paulo, e a mãe

A autora do texto, Carol Furtado, com o pai, Paulo, e a mãe, Fátima

Inconformada com o desemprego do pai, o especialista em desenho técnico de arquitetura e topografia Paulo Furtado, de 61 anos, a filha, Carol, que é designer, encontrou uma forma criativa de mostrar que o pai, desempregado há nove meses, é competente e merece um bom emprego: criou uma página no facebook, relacionando de maneira bem peculiar os predicados de Paulo como profissional.

É comovente. Leia:

Com mais de 30 anos de experiência em construção civil, geologia e geotecnia, ao longo dos quais desenvolveu projetos executivos para empresas como Vale, Samarco, MRN, V&M Mineração e Cemig, aos 61 anos, meu pai está desempregado.

Eu amo muito o meu pai, mas preciso confessar que já brigamos um bocado, nos últimos 29 anos. Minha mãe, coitada, uma das mulheres mais doces e delicadas que conheço, incapaz de falar acima de 60 decibéis, ficava sem chão com os nossos conflitos de 120. Mas a verdade é que ela sempre preferiu a bossa nova, e eu e meu pai, o Rock and Roll. Nesse ponto, somos mais que iguais.

_ Engole o choro, Carolina.

Filha diz que pai é tímido

Filha diz que pai é tímido

Minhas brigas com meu pai começaram logo cedo. Aos 3 anos, eu me lembro que tinha medo do marido de uma tia minha. Ele usava uns óculos enormes, esverdeados, com aquelas lentes supergrossas, que deixam o olho bisonho. É lógico que ia ter medo de um sujeito assim, ué. Qualquer criança ia. Então, eu fazia de tudo pra não cumprimentá-lo, mas quem disse que o meu pai deixava? Por volta dos meus 6 anos, eu ainda tinha medo de algumas pessoas (geralmente aquelas com acessórios, roupas ou cabelos fora do padrão; palhaços se enquadravam, nisso, inclusive), mas eu me recordo que, nessa época, meu pai me deixou de castigo por eu não ter cumprimentado uma pessoa. Ele me mandou “engolir o choro” e disse que eu precisava entender, de uma forma ou de outra, que eu podia até não gostar de algumas pessoas, mas que eu devia a todas elas o meu respeito. Hoje, já grande, eu não engulo o choro quando eu não gosto de alguém, é verdade, mas eu engulo alguns sapos, vez ou outra, porque a máxima do respeito fez sentido pra mim. Preciso dar meu braço a torcer.

_ A revolução das pranchetas e o fim do império lúdico.

Por volta de 1993, quando compramos nosso primeiro computador, minha vida se tornou um inferno. Eu tinha milhares de jogos em discos flexíveis de 5 1/4 polegadas, mas não conseguia usufruir de nenhum. Por quê? Por causa do meu pai, é claro. Tudo culpa dele e do bendito Autocad. “A revolução das pranchetas”, nas palavras dele. Além de ocupar mais de metade da memória do nosso 486, ele ocupava 80% do tempo do meu pai, que, de quebra, ocupava 50% do tempo que eu tinha pra me destinar aos meus discos flexíveis de 5 1/4 polegadas. Eu era muito mais feliz quando o meu pai usava prancheta, papel vegetal e caneta nanquim. Ah, mas era. Tempos que não voltam.

_ AC/DC

Até os meus 22 anos, meu pai não tinha carteira de motorista. Foi eu tirar a minha, comprar um carro e adivinhe o que aconteceu? Pimba, ele cis-mou de tirar carteira, também. Antes, eu tinha um carro só pra mim, e, depois, não tinha, é óbvio. Meu pai passou a vida inteira sem dirigir e, justo nessa época, aos 55 anos –  repito, 55 anos – ele tinha que fazer isso? Mas meu pai sempre foi assim, quando cismava com alguma coisa, não tinha quem o convencesse do contrário. Chamo essa fase da minha vida de AC/DC. Isto: Antes da Carteira / Depois da Carteira. Se você leu “ei-ci-di-ci” e já pensou na banda de rock, posso te dizer que seu raciocínio não está de todo errado, considerando a minha “Highway to hell” naqueles anos. Clique aqui para ler mais.

_ Um sono de liberdade.

Faz uns 3 anos que resolvi morar sozinha. Basicamente, por causa do meu pai. Bem, meu pai aprendeu com o meu avô a acordar muito (mas muito) cedo. A minha vida inteira tive que escutar: “Chegar no horário não é qualidade. É obrigação, Carolina.”. Então, basicamente, esta era minha via crucis matinal: 5:30, o despertador de corda tocava; 5:45, meu pai ligava o rádio na Itatiaia; 6:00, meu pai lavava as vasilhas que usava pra fazer café; 6:30, meu pai dava descarga; 6:45, meu pai tomava banho; 7:00, meu pai abria a porta do meu quarto, pra me dar um beijo de despedida e falar que já tava quase na hora de acordar (como se eu não estivesse acordada desde as 5:45, mas tudo bem); 7:15, meu pai trancava a porta de casa e conferia a maçaneta umas três vezes, pra garantir que a porta estava mesmo fechada (nesse ponto, não posso dizer nada contra o meu pai, porque faço o mesmo). Em suma, posso dizer que meu pai nunca chegava atrasado no trabalho, o que não se aplicava a mim, que voltava a dormir a partir das 7:15, pra acordar desesperada às 08:30, lembrando que tinha reunião de pauta às 09:00. Clique aqui para ler mais.

Compartilhe!

Um comentário

  1. Gostei demais da proposta. Acho que vou fazer uma campanha também para ver se desperto os sentidos de algum empregador de peso. Também tenho 61 e trabalhei 38,5 anos numa empresa, mas queria mais alguma chance, pois tenho ainda muitos planos e sonhos a realizar. Será que alguém se habilita??????????

Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos marcados com asterisco são obrigatórios. *

*

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.