Como usei o tempo a meu favor e me reinventei após me aposentar

Adriana Miranda tem uma rotina que inclui alimentação sadia e muito exercício físico

Nem todo mundo está disposto a se dedicar a si próprio, fazendo intensos exercícios diários e escolhendo a dedo o que comer, como faz Adriana Miranda, 63 anos, porque exige foco, determinação e tempo. Mas quem consegue, como ela, colhe frutos. E tudo começou depois que se aposentou. Segundo ela, foi nesse momento que surgiu uma “nova eu: renovada, mais ativa, presente e realizada do que nunca! ” Neste depoimento, escrito por ela mesma e publicado no Uol, a “senhora ginástica” conta como se reinventou para enfrentar essa nova etapa de sua vida.

Leia:

Todo nascimento traz em si um começo e um fim. A chegada de uma criança representa o encerramento de uma fase da vida de seus pais, e o início de um processo de amadurecimento conjunto que, na melhor das hipóteses, levará décadas.

E hoje vou falar do nascimento de uma “nova eu”, que aconteceu após a aposentadoria —momento da vida em que muitos já estão em “marcha lenta”. O nascimento de uma Adriana renovada, mais ativa, presente e realizada do que nunca! Hoje, após uma vida em iguais medidas desafiadora e gratificante, tenho orgulho de dizer que embarquei em uma nova e fascinante jornada de autoconhecimento, inspiração e conquistas. Um constante processo de evoluir rumo a novos patamares —que também são novos desafios.

Voltando um pouquinho no tempo, me formei em direito e tive uma bem-sucedida carreira como procuradora do estado de São Paulo. Após mais de três décadas, dois casamentos e inúmeras alegrias, tristezas, realizações, frustrações e muito aprendizado, eu me vi aposentada, com a certeza do dever cumprido, mas carente de motivação e propósito.

Cheia de energia, Adriana mostra a sua exuberância

O que fazer dali para frente? Pensava em alternativas como trabalhar em um escritório de advocacia. Porém, depois de tantos anos de trabalho duro em escritório, uma voz na minha cabeça, ainda tímida e distante, me instigava a experimentar algo novo, diferente. A ansiedade em relação ao que fazer com os anos que me restavam me atormentava.

Leia também: Se não quer terminar nem ir à academia, faça exercícios em casa

Em paralelo, nesse período da aposentadoria tive o tempo livre e a clareza necessários para aplicar de fato todo o conhecimento e prática que reuni ao longo dos anos sobre qualidade de vida, exercícios, condicionamento físico e alimentação. A minha dedicação e disciplina chamavam a atenção e todos queriam saber o que eu fazia. E eu passei a me sentir responsável por isso.

Nesse momento, minha trajetória, como as de milhares (se não milhões) de pessoas em todo o planeta foi diretamente impactada pelo impressionante avanço das tecnologias de comunicação. Se em outros tempos eu continuaria sendo apenas aquela que conversa sobre alimentação e treino com pessoas mais próximas, em pleno século 21 também pude compartilhar minha experiência nas redes sociais.

O mundo digital ainda era estranho para mim, e a adaptação não foi fácil.

Passei a postar textos e vídeos diários e o trabalho cresceu. Logo, estava dando entrevistas e sendo alvo de reportagens em sites, jornais, revistas e programas de televisão. Daí em diante, essa bola de neve só aumentou, e hoje tenho seguidores que nem mesmo falam português, mas acompanham de maneira ávida meu dia a dia.

Leia também: É fundamental fazer exercícios depois dos 40. Veja como começar

Mas a notoriedade está longe de ser a maior recompensa que obtenho a partir dessa metamorfose e novo começo já depois da aposentadoria. O mais gratificante é receber relatos de pessoas que superaram uma autoestima baixa e até casos de depressão com a minha ajuda. É saber que inspiro meus seguidores a se movimentarem e se tornarem pessoas melhores, não apenas mais comprometidas com o próprio bem-estar e saúde, como também em tornar o mundo um lugar melhor para todos nós.

Entendi que a aposentadoria não é o fim da linha! Sempre é tempo para elaborar novos projetos, traçar planos e ter muitas realizações. Assim como eu, muitas pessoas conseguem se reinventar após parar de trabalhar.

O caminho até aqui foi longo, nada foi fácil ou repentino. Mas, hoje, conforme os ponteiros do relógio e os números do calendário avançam, não sinto mais medo ou hesitação pelo que vem pela frente. Traço meu próprio caminho, desenho (e alcanço!) meus objetivos. Agora, o tempo está do meu lado.

*Adriana Miranda (@adrianammiranda) é palestrante e, aos 63 anos, entusiasta da vida saudável e das atividades físicas. Está sempre em busca de segredos para ter mais disciplina, foco e determinação, para manter a saúde física e um estilo de vida leve e positivo.

Leia também: Unir yoga e exercícios ajuda a baixar a pressão e o colesterol alto

Compartilhe!

Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos marcados com asterisco são obrigatórios. *

*

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.