Por que é preciso se vacinar contra a gripe. Você já se vacinou?

“A vacina prevenirá a população contra o vírus Influenza de três tipos e é fundamental para evitar complicações decorrentes da gripe, otites e sinusites”

Moro no Rio de Janeiro. Antes que o avanço do novo coronavírus se tornasse mais ameaçador, decidi me refugiar na casa da minha família, no interior de Minas Gerais. Somos seis pessoas vivendo na mesma casa, todas com idade acima dos 58 anos. Um dos meus irmãos, de 74 anos, sofreu um AVC há seis meses e se locomove em cadeira de rodas.

Nesta segunda-feira, com o início da campanha de vacinação contra a influenza para pessoas acima dos 60 anos e trabalhadores da área de saúde – os mais suscetíveis ao novo coronavírus -, recebemos a informação que agentes do serviço de saúde da cidade virão a nossa casa fazer a vacinação. Ao contrário de alguns amigos, somos todos a favor de se tomar a vacina.

Influenza de três tipos – A campanha aqui em Santa Luzia, perto de Belo Horizonte, está bem organizada. Espera-se que um número maior de pessoas compareça aos postos de saúde, já que especialistas têm dito que essa vacina contra a gripe “não imuniza contra o novo coronavírus”, mas vai ajudar pessoas com problemas respiratórios nos próximos meses, o que é fundamental nesse momento de crise nacional, provocada pelo vírus vindo da China.

Em depoimento ao jornal O Estado de S Paulo, a diretora de Imunização da Secretaria de Saúde paulista, Nubia Araujo, afirma que “a vacina prevenirá a população contra o vírus Influenza de três tipos e é fundamental para evitar complicações decorrentes da gripe, otites e sinusites.”

Leia também: Aqui está a relação de vacinas que todo adulto deve tomar

Vacinação em três etapas – Neste ano, a campanha de vacinação será feita em três etapas: a primeira,que, como ja foi dito, começou nesta segunda, 23 de março, voltada a idosos e trabalhadores da saúde.

A partir do dia 16 de abril serão vacinados os professores, equipes que trabalham nas forças de segurança e salvamento e pacientes com doenças crônicas, como asma, diabetes, doenças imunossupressoras e outras.

E no dia 9 de maio começa a terceira etapa, que será para gestantes, puérperas (com até 45 dias após o parto), crianças a partir de seis meses e menores de seis anos, povos indígenas e demais grupos prioritários, inclusive dois novos públicos inseridos a partir deste ano: os adultos de 55 a 59 anos e as pessoas com deficiência (física, auditiva, visual, intelectual e mental ou múltipla).

Leia também: Rita Lee – “Há oito anos vivo enfurnada. E há sempre coisas boas para fazer

Mobilização nacional – Na data de início da última etapa também está previsto o “Dia D” de Mobilização Nacional, quando os postos deverão funcionar no sábado, das 8h às 17h.

A diretora Núbia Araújo lembra que “é indispensável que as pessoas respeitem as etapas, para que não haja aglomerações nos postos, evitando a transmissão de doenças respiratórias, como a Covid-19 e a própria gripe.”

Vacina é uma proteção – Por causa da pandemia de coronavírus, o governo brasileiro resolveu antecipar em quase um mês a vacinação. Segundo o secretário de Saúde de São Paulo, “a decisão de antecipar a campanha tem a intenção de proteger a população contra a Influenza, além de minimizar o impacto sobre os serviços de saúde em meio a pandemia de Covid-19, já que os sintomas destas doenças são semelhantes.”

Se você tem mais de 60 anos e ainda não se vacinou, procure logo um posto de saúde. A vacina só vai protegê-la.

Leia também: Medo do novo coronavírus entre os mais velhos tem fundamento

319 Compart.

Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos marcados com asterisco são obrigatórios. *

*

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.