Preto volta a ocupar o 1º lugar nas passarelas internacionais

Básico, clássico, icônico. São muitos os apelidos dados à cor que pontua há 80 anos a história da moda. Foto: modelo da Chanel

A Europa, em consonância com esses tempos trágicos do novo coronavírus, elegeu o preto a cor do momento. Os trajes nessa cor predominaram em praticamente todos os desfiles das grandes grifes de moda, em Paris. Marcas como a Dolce & Gabana dedicaram metade de sua coleção à cor, que sugere “drama, dor e morte, mas também é proteção, poder, elegância, formalidade,” como bem definiu o site Follow the Colours.

Leia o artigo de Renata Brosina para o Estadão sobre os desfiles da temporada em Paris:

Se Coco Chanel levou o preto ao patamar da elegância, quando disseminou a cor em roupas, inclusive, inspiradas nas vestimentas das freiras do austero convento onde cresceu, em Aubazines (tema de sua coleção de verão 2020, por Virginie Viard), Yves Saint Laurent também levou a tonalidade escura para os smokings que migraram para o guarda-roupa feminino.

Veja o desfile outono/ inverno 2020/2021 da Chanel:

Décadas mais tarde, Dolce & Gabbana trouxe a sua mulher siciliana para a passarela, a bordo de conjuntos e vestidos rendados da cor, com direito até a véus. Para essas grifes, o preto é uma certeza, e isso parece ter voltado novamente às passarelas internacionais nesta temporada.

Veja também: Máscaras de todos os tipos para você se proteger do novo coronavírus

Reforçando a ideia, o inverno 2020 comandado por Domenico Dolce e Stefano Gabbana apresentou 62 looks (dos 121 desfilados) com foco no preto. Crochês e tricôs, que retratam o fatto a mano, fizeram parte da celebração da dupla ao trabalho dos artesãos – a tradição italiana como temática para a coleção. Até o shape emblemático da grife, com cintura marcada e decote princesa em vestidos com fendas, vem na cor icônica – uma diversidade de versões e materiais que envolvem o conceito do “black look”.

Veja o desfile da Dolce & Gabbana:

Já na Chanel, Kaia Gerber, nossa cover-girl, chamou a atenção com seu vestido preto com estrutura off-shoulders e manga bufante, em meio a um cenário minimalista.

Kaia Gerber , desfilando para a Chanel; mangas bufantes

De acordo com Virginie Viard, diretora criativa da maison, a escolha pelo cenário simples (e muito chique, claro) foi basicamente para deixar o foco apenas para a roupa. E assim foi. Uma apresentação que mostrou a cor em versões monocromáticas ou contracenando com sua dupla preferida: o branco.

Leia também: Gloria Kalil estreia como estilista, lançando coleção sem idade

Na Balenciaga, um dos desfiles mais falados da temporada por sua apresentação imersiva, os 15 primeiros looks, dos 120 desfilados, são all black, e 66 têm o preto como tom principal. O conceito do preto como poder e austeridade demonstra  uma constante observação  do  estado do mundo.

O preto dos novos anos 20 traz força e feminilidade, esta antes atribuída, principalmente, ao rosa. A pergunta que fica é: será que “black is the new pink”?

Leia também: Rita Lee – “Vivo enfurnada há oito anos e há sempre coisas boas para fazer”

30 Compart.

Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos marcados com asterisco são obrigatórios. *

*

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.